UE quer livrar Oriente Médio de armas nucleares

© AFP 2022 / John ThysFederica Mogherini
Federica Mogherini - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A União Europeia insiste na criação de uma zona livre das armas nucleares no Oriente Médio.

Mapa do Oriente Médio - Sputnik Brasil
Cientista político: Europa não sabe como resolver crises na Síria e Iraque
A respectiva informação foi divulgada na segunda-feira (13) no âmbito da 20ª sessão da Comissão Preparatória da Organização do Tratado para a Proibição Completa dos Testes Nucleares (CTBT na sigla geralmente usada em inglês) em Viena.

A declaração foi feita por Federica Mogherini, Alta Representante da UE para Política Externa e Segurança.

"O tratado seguramente poderá aumentar a confiança na comunidade internacional e esse tipo de confiança contribuirá para a não proliferação nuclear e para o desarmamento. Em particular, isso tem a ver com regiões como o Oriente Médio. É preciso livrar essa região de todos os tipos de armas de destruição em massa e dos meios para seu transporte. Como primeiro passo, é preciso criar uma zona livre de armas nucleares no Oriente Médio atraindo os Estados da região para a CTBT," disse a política.

Segundo ela, até o momento, no mundo continua existindo a ameaça de que testes nucleares possam de novo ser realizados.

"O exemplo disso foram os testes realizados pela Coreia do Norte em janeiro de 2016, que foram duramente criticados por parte da União Europeia e a comunidade internacional," sublinhou Mogherini.

Líder norte-coreano Kim Jong Un em Pyongyang (dezembro de 2015) - Sputnik Brasil
Moscou acusa Coreia do Norte de violar resoluções com novo teste (fracassado) de míssil
A política europeia notou também que o documento mencionado celebrará este ano seus 20 anos de existência e que este já foi assinado por 183 países, mas que ainda continuam existindo oito que não tiveram qualquer avanço na questão da assinatura.

Dos 44 países necessários para o tratado entrar em vigor ainda faltam as assinaturas dos representantes da Índia, Paquistão e Coreia do Norte. O documento foi ratificado por 164 Estados, inclusive por 36 dos 44 países que ainda não assinaram o tratado. Estes incluem os EUA, China, Israel, Irã e Egito.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала