G7 está em desacordo sobre a China

© AFP 2022 / DANIEL KARMANN / POOL Líderes do G7 chegam para a primeira sessão de trabalho da cúpula do G7 perto de Garmisch-Partenkirchen, Alemanha, 7 de junho de 2015
Líderes do G7 chegam para a primeira sessão de trabalho da cúpula do G7 perto de Garmisch-Partenkirchen, Alemanha, 7 de junho de 2015 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Em 26-27 de maio em Ise-Shima, Japão, será realizada a cúpula do G7, o grupo das maiores economias do mundo.

O grupo já foi denominado G8 e incluía o Reino Unido, a Alemanha, a Itália, o Canada, os EUA, a França, o Japão e a Rússia. Em 2014, após a reunificação da Crimeia com a Rússia, a participação da última no grupo foi suspensa. Nas cúpulas do G7 participam também representantes da União Europeia.

Ministro das Relações Exteriores russo Sergei Lavrov e o presidente da China Xi Jinping durante um encontro bilateral em Pequim, China, 28 de abril de 2016 - Sputnik Brasil
Chancelaria: China é uma das principais prioridades para a Rússia
Assim, o G7 é o grupo exclusivamente de países ocidentais que têm uma visão comum sobre a maioria dos problemas internacionais. Entretanto, parece que agora surgiram dissidentes até dentro deste grupo.

O problema é que o Japão e os EUA visam conseguir um amplo acordo entre as nações europeias para constituir uma oposição ao papel cada vez mais ativo da China na Ásia e no mar da China do Sul em particular, onde o seu projeto de construção de ilhas artificiais provoca tensões com os vizinhos e os norte-americanos.

Ao mesmo tempo, segundo o RT, o Reino Unido, considerado um dos parceiros mais leais aos EUA, lançou em outubro do ano passado, durante a visita oficial do presidente chinês Xi Jinping para o Reino Unido, a política do “melhor parceiro da China no Ocidente”. Estas atividades resultaram na indignação dos EUA e do Japão.

Farol chinês no recife Zhubi no mar da China Meridional, 5 de abril de 2016 - Sputnik Brasil
Rússia e ASEAN apoiam Código de Conduta no Mar do Sul da China
O Japão expressou a sua preocupação pelos contratos de mais de 61 bilhões de dólares assinados entre o Reino Unido e a China durante a visita do presidente chinês. Os responsáveis japoneses não gostaram da ideia de o Reino Unido ter relações estreitas com a China sem criticar a atitude chinesa nas disputas territoriais nos mares da China Oriental e Meridional. Agora o Reino Unido estará sob pressão para que desista de uma política que está em desacordo com a linha comum.

Espera-se que, além de outros temas, a disputa no Mar da China Oriental seja incluída na agenda da cúpula do G7. Entre os países que estarão representados no evento há muitos países da região, inclusive a Indonésia, Bangladesh, Sri Lanka, Vietnã, Laos e Papua-Nova Guiné.

Há que lembrar que outro país da região – as Filipinas – iniciou o processo de arbitragem em relação à disputa territorial sobre as ilhas Spratly e, no fim de outubro do ano passado, o Tribunal Permanente do Tribunal de Arbitragem de Haia declarou que tem jurisdição para considerar esta disputa. A sua decisão será divulgada em breve e espera-se que seja a favor das Filipinas.

Cidade de Sansha na ilha de Yongxing, também conhecida como ilha de Woody, no Mar do Sul da China - Sputnik Brasil
China tem novo parceiro frente à pressão dos EUA
A China já declarou que não reconhece a jurisdição do Tribunal, aludindo a que, se os países ocidentais apoiam as Filipinas, a decisão não será imparcial.

Entretanto, os países asiáticos envolvidos em disputas territoriais com a China tendem a se alinhar com os EUA.

Ontem (23), tornou-se público que os EUA cancelaram o embargo de fornecimento de armas letais ao Vietnã, o que significa que os EUA continuam criando uma coalizão contra a China, composta não somente de países ocidentais.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала