- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Cancelamento do processo de impeachment na Câmara gera polêmica no Senado

REPORTAGEM REPERCUSSÃO SENADORES 2 DE 09 05 16
Nos siga noTelegram
A decisão nesta segunda-feira (9) do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão de anular a sessão em que os deputados votaram favorável a abertura do processo de impeachment contra a Presidenta Dilma Rousseff causou grande repercussão entre oposição e governistas no Senado, que tem votação do andamento do processo no dia 11 de maio.

Ao falar com a imprensa, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) concordou com a medida de Maranhão, afirmando que a sessão de votação do impeachment na Câmara não teve base legal para julgar o processo.

“Aquela sessão não teve base, não se baseou na Constituição e nos crimes para julgar o impeachment. Teve orientação de bancada. Os deputados falaram de tudo menos do fato concreto. A Presidenta merece uma segunda chance, principalmente depois de tudo o que aconteceu na recente conjuntura política do país, e das discussões que nós tivemos no Senado da República.”

A Senadora Vanessa Grazziotin (PC do B-AM) também conversou com os jornalistas após a decisão, e disse que pela pressão política não achava que isso pude ocorrer, mas juridicamente suspender o processo era o certo a se fazer.

“ Nós não acreditávamos tanto que isso pudesse acontecer por conta da força política que eles se formaram, mas se olharmos do ponto de vista jurídico técnico essa decisão, a tendência maior é que ela ocorresse.”

Já para o senador Álvaro Dias (PV-PR) a medida de Waldir Maranhão não vai ter o apoio do Supremo Tribunal Federal(STF).

 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Dilma pede cautela após notícia de suspensão de votação do impeachment na Câmara

“Eu não creio que terá guarida do Supremo Tribunal Federal uma decisão dessa natureza. Essa decisão é o verdadeiro golpe. É um desrespeito a uma decisão democrática da Câmara dos Deputados, que reuniu 367 votos favoravelmente a admissibilidade do processo.”

Através de nota, o líder da oposição no Senado, Presidente Nacional do Democratas, José Agripino (RN) disse que “A matéria remetida da Câmara para o Senado não tem caminho de volta. Trata-se de ato jurídico perfeito e acabado. Inacreditável a audácia dos protagonistas. Não resiste a um mandado de segurança.”

O presidente da Comissão do Impeachment no Senado, Raimundo Lira também falou sobre o assunto com a imprensa do Senado, e disse que a decisão de Waldir Maranhão é meramente política sem ter efeito prático. Segundo ele, a votação no Plenário do Senado, prevista para quarta (11) está mantida.

“No meu entendimento ela (a decisão) não tem nenhum valor. Só o Supremo Tribunal Federal é que pode modificar esse rito, e o STF também não vai modificar esse rito, porque ele foi todo processado em cima do que determinou o Supremo Tribunal Federal e a Lei 1079, portanto, não há brecha jurídica para o presidente tomar uma decisão dessa magnitude. É apenas uma decisão  essencialmente política sem efeito prático.”

No Senado, o primeiro vice-presidente, Jorge Viana, afirmou que ainda nesta segunda-feira(9) em Plenário vai ser anunciada a decisão da Casa em relação ao ofício da Câmara que pede a devolução do processo de impeachment.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала