Guerra vista por criança: coletânea de diários russos chocará leitores em 200 países

© Sputnik / Maksim BlinovO livro 'Crianças da Guerra'
O livro 'Crianças da Guerra' - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Uma coleção única de diários escritos por crianças russas durante a Segunda Guerra Mundial foi juntada por autores do jornal russo Argumenty i Fakty e foi publicada em Moscou. A agência de notícias e rádio Sputnik ajudou na publicação da versão em Inglês do livro, intitulado “Crianças da Guerra”.

A versão em língua russa de “Crianças da Guerra” foi publicada pela primeira vez em 2015, para a comemoração do 70º aniversário da vitória sobre a Alemanha nazista.

"Nós já enviamos as cópias de ´Crianças da Guerra´ para a ONU, UNESCO e UNICEF, o Centro Simon Wiesenthal, o Bundestag alemão, a Biblioteca do Congresso e os meios da comunicação nos 200 países por todo o mundo, é por isso que foi tão importante para nós termos a tradução do livro para o inglês", disse à Sputnik a editora do livro Tatiana Kuznetsova.

A tradução para o inglês de “Crianças da Guerra” foi feita por Andrew Bromfield, Rose Franca e Anthony Hippisley.

No dia 9 de maio, os embaixadores russos irão apresentar uma cópia deste livro para os chefes de Estado de 200 países por todo o mundo.

O presidente russo, Vladimir Putin com um retrato do seu pai, veterano de guerra durante a marcha Regimento Imortal na Praça Vermelha durante as celebrações do Dia da vitória em Moscovo, Rússia, 9 de maio de 2015 - Sputnik Brasil
Regimento Imortal: russos recordam Segunda Guerra Mundial criando rede social
“Crianças da Guerra” é uma coleção de 35 diários escritos por crianças soviéticas durante o bloqueio da cidade de Leningrado feito pelos nazistas, em guetos judaicos e campos de concentração, nos territórios ocupados pelos nazistas e na frente de combate.

Mais da metade destes diários nunca tinham sido publicados anteriormente. Eles são terríveis e honestos testemunhos do destino que tocou milhões de pequenos cidadãos da União Soviética durante a guerra.

"Algumas dessas crianças só queriam escrever sobre tudo o que estava acontecendo ao seu redor. Algumas começaram a escrever seus diários logo no dia 22 de junho de 1941. Elas perceberam que estavam acontecendo coisas muito importantes e elas tinham que escrever tudo. Muitos destes diários são realmente textos maduros, uma tentativa de compreender as coisas e si mesmos", disse Tatiana Kuznetsova.

Fumio Kishida, ministro de Relações Exteriores do Japão - Sputnik Brasil
Japão espera terminar formalmente Segunda Guerra Mundial com Rússia
Ao ser perguntada se houve intercâmbio durante a preparação da versão russa do livro, Tatiana disse que a equipe editora recebeu alguns diários por museus e arquivos e alguns foram enviados por leitores de Argumenty i Fakty.

Ela acrescentou que cada pessoa que tem a oportunidade de ler este livro será muito chocada com os males que estas crianças sofreram.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала