- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Fala de Nobel da Paz contra impeachment dá em briga no Senado

© José Cruz/ Agência BrasilAdolfo Pérez Esquivel
Adolfo Pérez Esquivel - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Em visita ao Brasil nesta quinta-feira, 28, para prestar solidariedade à Presidenta Dilma Rousseff em relação ao processo de impeachment, o Prêmio Nobel da Paz de 1980 Adolfo Pérez Esquivel fez um breve pronunciamento em sessão no Plenário do Senado Federal, gerando protestos por parte dos parlamentares da oposição.

O ativista argentino disse que o que está acontecendo no Brasil é a preparação de um golpe de Estado.

Esquivel comparou o impeachment de Dilma com os processos que aconteceram em Honduras, em 2009, contra Manuel Zelaya, e no Paraguai, em 2012, contra Fernando Lugo. Naqueles países, segundo ele, também foram utilizados os meios de comunicação para desacreditar os presidentes e depois derrubá-los.

Presidenta Dilma recebe o Prêmio Nobel da Paz, Adolfo Pérez - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Nobel da Paz denuncia caráter golpista do impeachment de Dilma

“Está muito claro que o que está se preparando aqui é um golpe de Estado. Encoberto, e que nós chamamos de golpe brando, como já aconteceu em outros países do continente, como Honduras e Paraguai.”

Ainda de acordo com o Prêmio Nobel da Paz, se o impeachment for aprovado isso vai significar um retrocesso não só para o Brasil mas também para toda a América Latina.

Adolfo Pérez Esquivel disse ainda aos parlamentares que espera que o Senado tenha a melhor decisão sobre o impeachment, “para o bem da democracia e da vida do povo do Brasil”.

Diante dos protestos da oposição após o argentino pronunciar a palavra “golpe”, o presidente da sessão, Senador Paulo Paim (PT-RS), desculpou-se, dizendo que só concedeu a palavra a Esquivel porque ele queria fazer “uma saudação de paz aos senadores”.

A reação dos parlamentares da oposição foi imediata, lembrando a Paim que em uma sessão extraordinária da Casa somente senadores têm direito a falar, e que o presidente não deveria ter aberto exceção.

Após muita confusão, o Senador Athaides Oliveira (PSDB-TO) solicitou que todo o discurso do argentino fosse retirado da ata do dia do Senado, no que foi atendido.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала