- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Nicolás Maduro: processo de impeachment de Dilma ameaça toda a América Latina

© Divulgação / Abrir o banco de imagensNicolás Maduro em Moscou, antes das celebrações do Dia da Vitória em 2015.
Nicolás Maduro em Moscou, antes das celebrações do Dia da Vitória em 2015. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, reiterou nessa terça-feira (19) o apoio à presidenta Dilma Russeff, diante do que considera ser "um golpe de Estado parlamentar" que ameaça toda a América Latina, informou Agência Brasil.

Ato contra o impeachment em Brasília - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
De Cuba à Argentina, países da América Latina repudiam golpe de Estado no Brasil
Segundo Nicolás Maduro, "Esse golpe de Estado no Brasil é uma ameaça para todos os povos da América".

Nicolás Maduro discursou em Caracas para multidão durante a marcha para comemorar o 206º aniversário da assinatura da Ata de Declaração da Independência da Venezuela, assinada em 19 de abril de 1810. "Fomos testemunhas de um evento que, sem lugar para dúvidas, constitui um golpe de Estado parlamentar contra a legítima presidente do Brasil, Dilma Rousseff", disse o Maduro.

Para Nicolás Maduro o processo de impeachment "faz parte de uma ofensiva imperialista para acabar com os governos populares e para implementar outra vez um modelo neoliberal repressivo". 

"Estão brincando com a vontade do povo. A Venezuela bolivariana solidariza-se com a presidente Dilma, com o povo do Brasil e condena o golpe de Estado."

O pedido de impeachment da Presidente Dilma Rousseff obteve 367 votos e foi aprovado pela Câmara dos Deputados neste domingo. O voto decisivo, o 342º, veio com o deputado Bruno Araújo (PSDB-PE), e o placar final apontou 367 votos a favor, 137 contra, sete abstenções e duas ausências. Para aprovação, o processo precisava de 342 votos de um total de 513 integrantes da Casa.

Bolivia's President Evo Morales applauds Nicolas Maduro, President of Venezuela - Sputnik Brasil
Presidentes da Venezuela e Bolívia questionam a legalidade do impeachment
Após aprovação na Câmara, o processo de impeachment segue para análise do Senado, que instalará uma comissão especial para analisar a denúncia. A comissão, em seguida, emitirá um parecer a favor ou contra a instauração de um processo contra Dilma Rousseff.

Depois disso, os senadores votam pela abertura ou pelo arquivamento do processo de impeachment. São necessários 41 votos (de 81 membros do Senado) para que o processo seja instaurado formalmente e Dilma Rousseff seja afastada do cargo.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала