Pyongyang pode estar preparando lançamento de mísseis que alcançam a Costa do Pacífico

© Sputnik / Ilia Pitalev / Abrir o banco de imagensCidade de Pyongyang
Cidade de Pyongyang - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Satélites norte-americanos registraram sinais de que Pyongyang está preparando o lançamento, a partir de uma plataforma móvel, de um míssil balístico tipo KN-08 ou KN-14 capaz de chegar à costa do Pacífico, informou a rede de televisão CNN, citando fontes de inteligência dos EUA.

The U.S. Navy amphibious assault ships USS Bonhomme Richard, bottom, and USS Boxer, second from top, are underway with the Republic of Korea Navy Dokdo Amphibious Ready Group in the East Sea during exercise Ssang Yong 2016, March 8, 2016 - Sputnik Brasil
Coreia do Sul e EUA iniciam exercícios navais e provocam tensão com Coreia do Norte
De acordo com as fontes da emissora, a Coreia do Norte também pode considerar o lançamento de mísseis Musudan, que podem atingir o Alasca ou a ilha de Guam.

As fontes consultadas pelo canal não descartam que tudo não passe de uma manobra enganosa, dada a perfeita consciência que Pyongyang tem a respeito da vigilância constante mantida sobre a infraestrutura militar norte-coreana por parte de satélites espiões dos EUA.

Nas últimas semanas, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, tem supervisionado vários testes relacionados aos sistemas de defesa de mísseis do país. Por sua vez, Washington fez denúncias sobre "atividades suspeitas" nas centrais nucleares da Coreia do Norte, alertando para o fato de os EUA estarem ao alcance dos mísseis norte-coreanos.

O líder norte-coreano Kim Jong-un - Sputnik Brasil
Pyongyang ameaça EUA e Coreia do Sul com 'ataque nuclear preventivo'; Rússia reage
A tensão na península se intensificou em fevereiro, depois que Pyongyang anunciou o lançamento de um satélite a bordo de um foguete portador. Grande parte da comunidade internacional considerou o evento como um teste encoberto de mísseis balísticos. Em resposta, o Conselho de Segurança da ONU aprovou uma resolução aumentando o isolamento econômico do país asiático, que, por sua vez, reagiu lançando novos mísseis balísticos.

Porém, segundo Gueorgui Toloraya, especialista russo em Coreia, o país asiático não oferece ameaça a ninguém.

"O perigo, neste caso, reside na possibilidade de os americanos não se conformarem com a atual situação e realizarem um ataque preventivo às instalações nucleares da Coreia do Norte, enquanto a capacidade de Pyongyang de conseguir atacar o solo dos EUA continua sendo mais fantasia do que realidade. Isso é consenso entre a maioria dos especialistas com os quais eu falei", afirma o analista.

Sergei Lavrov, ministro de Relações Exteriores da Rússia - Sputnik Brasil
Moscou diz 'não' às ambições nucleares de Pyongyang
"No entanto, a declaração do ministro da Defesa do Japão demonstra que a tática de chantagem balística-nuclear, escolhida pela Coreia, tem surtido certo efeito. Acontece que os americanos estão preocupados de modo patológico com a possibilidade de alguém obter capacidades tecnológicas para atacá-los. Isso está introjetado de modo profundo na psicologia nacional: os americanos nunca conduziram uma guerra em seu território e sempre se consideraram protegidos pelo oceano", continuou Toloraya.

"A Coreia do Norte está, neste momento, apertando este calo para causar preocupações nos EUA e provocar a tomada de certas medidas. Estas medidas, da perspectiva norte-coreana, seriam as negociações e a celebração de acordos. De certa forma, isso já está funcionando, pois, desde início de janeiro, os americanos, sem muito alarde, buscam caminhos para começar um diálogo com a Coreia do Norte, sem apresentar, como antes, condições preliminares de desnuclearização. E isso é uma grande mudança na posição americana", avaliou.

"Quanto às provocações da Coreia do Norte, daquilo que poderia realizar sob a cobertura do seu escudo nuclear: isso é mais uma fantasia para amedrontar o senso comum e os políticos. Nos últimos anos a Coreia do Norte não tem feito provocações. Sim, o país faz declarações de cunho propagandista, mostra vídeos de propaganda, realiza disparos e testes da armamentos dramatizados. Mas tudo isso, em grande parte, são campanhas publicitárias. Na prática, não houve nenhuma ação real que pudesse representar ameaça para o mundo. O mesmo não pode ser dito sobre as manobras conjuntas dos EUA e da Coreia do Sul, com simulações de ataques às instalações da Coreia do Norte, com exercícios de desembarque de fuzileiros e de eliminação física dos líderes da Coreia do Norte. A instalação de armamento norte-americano moderno na península coreana, bem como a presença de bombardeiros estratégicos e de um porta-aviões, são algo muito mais sério do que o barulho propagandista norte-coreano", concluiu o especialista.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала