Panama Papers: Justiça argentina investiga Macri

© AP Photo / Natacha PisarenkoPresident Mauricio Macri leaves after making a statement at the government house in Buenos Aires, Argentina, Thursday, April 7, 2016.
President Mauricio Macri leaves after making a statement at the government house in Buenos Aires, Argentina, Thursday, April 7, 2016. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Juiz Federal Sebastián Casanello acolheu pedido do Promotor Federico Delgado para que a Justiça argentina abra processo para apurar se o Presidente Mauricio Macri omitiu em sua declaração juramentada de bens participações em empresas offshore que figuram nos chamados Panama Papers.

O presidente argentino é citado na pesquisa como diretor da Fleg Trading, companhia criada nas Bahamas. Os Panama Papers foram obtidos pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos a partir do exame da carteira de clientes da firma panamenha de advocacia Mossack Fonseca, especializada na abertura de empresas em paraísos fiscais.

Presidente argentino Maurício Macri profere discurso na Casa Rosada depois de procurador federal da república entrar com um pedido de investigação da sua participação na offshore bahamense - Sputnik Brasil
Macri nega acusações: ‘Não tenho nada a ocultar’
Segundo o procurador, os Panama Papers trazem elementos suficientes que justifiquem o pedido de investigação. A Justiça argentina pode determinar que Macri preste informações, entre outros, ao jornalista Hugo Alconada Mon, um dos participantes do consórcio investigativo, e à advogada Silvina Martinez, assessora da Deputada Margarita Stolbizer, do partido Geração para um Encontro Nacional (GEN). Martinez é advogada especializada na legislação de sociedades offshore.

O trabalho do consórcio internacional, porém, também vem colhendo algumas críticas. O presidente do Equador, Rafael Correa, criticou os responsáveis pelo estudo por se negarem a revelar toda a base de dados. Até agora, por exemplo, nenhum nome de empresa norte-americana ou de cidadão dos Estados Unidos foi divulgado na listagem que abrange 11,5 milhões de documentos e que expôs o nome não só de empresários em quase 200 países, mas também de mandatários, como o rei saudita Salman bin Abdulaziz e o presidente ucraniano Pyotr Poroshenko.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала