OTAN diz apoiar uma atividade que não é militar

© AFP 2022 / JONATHAN ERNST / POOL a OTAN (NATO, na sigla em inglês)
a OTAN (NATO, na sigla em inglês) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A OTAN tem que envidar mais esforços para apoiar os países que seguem os programas contra a radicalização, disse o enviado especial da aliança, general Adrian Bradshaw.

“Há muita coisa que pode ser feita para apoiar os países que implementam no seu território programas contra o radicalização” disse Bradhaw à emissora britânica BBC.

Segundo Bradshaw, a aliança deve promover estratégias nacionais cujo intuito é o de impedir a radicalização das pessoas. As ações incluem a propaganda do Islã tolerante entre os imãs. Programas parecidos já foram introduzidos com êxito na Jordânia.

“Podemos ajudar a atrair atenção aos benefícios de uma atividade deste tipo, que não é uma atividade militar ou nossa responsabilidade principal”, acrescentou Bradshaw.

Parede de bonecas Barbie na feira de bonecas em Nova Iorque, EUA, 2010 - Sputnik Brasil
Quando o Islã encontra-se com hábitos ocidentais: Irã promove Barbie persa
Radicalismo é uma questão importante em Europa e todo o mundo, por causa da ameaça do terrorismo proveniente dos indivíduos radicalizados. Este problema foi discutido amplamente depois dos ataques terroristas em Paris e arredores em 13 de novembro de 2015, matando 130 pessoas e ferindo mais de 360. O ataque terrorista em Bruxelas em março de 2016, que matou mais de 30 civis, aumentou as preocupações europeias sobre a questão de radicalização.

Os ataques foram reivindicados por um grupo terrorista que se autodenomina "Estado Islâmico" (é também conhecido como Daesh). É um grupo islamista radical proibido na Rússia e muitos outros países que assume a responsabilidade de ataques. Também é famoso pelo uso de vários meios de propaganda para atrair novos adeptos.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала