Putin ‘se superou’ libertando Palmira

© Sputnik / Aleksei Druzhinin / Abrir o banco de imagensPresidente da Rússia Vladimir Putin assiste aos testes do caça T-50 (foto de arquivo)
Presidente da Rússia Vladimir Putin assiste aos testes do caça T-50 (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Tendo contribuído para a libertação de Palmira, o presidente russo, superou mais uma vez todas as previsões, escreve a revista francesa Le Point.

Recentemente, Vladimir Putin anunciou a retirada russa da Síria, que marcou o fim da fase principal da campanha militar lançada há seis meses.

No entanto, a retirada foi parcial. Algumas forças russas ainda estão implantadas na Síria e, na semana passada, contribuíram para a libertação de Palmira. O exército sírio, só com as suas forças, não poderia ter retomado Palmira do Daesh sem a assistência da Rússia, escreve a Le Point.

A Rússia desempenhou um papel importante na operação, usando a sua capacidade aérea. Os bombardeiros russos e helicópteros atacaram as colunas de veículos do Daesh que fugiam de Palmira. Os terroristas sofreram perdas recordes — 400 militantes foram mortos, segundo o Centro Sírio para os Direitos Humanos.

Sapadores russos preparam-se para a desminagem de Palmira no Centro Internacional de Desminagem em Nakhabino, região de Moscou, Rússia, 29 de março de 2016 - Sputnik Brasil
Sapadores e equipas russas com cães iniciam missão em Palmira
Os militares russos também efetuavam o monitoramento das conversas de rádio inimigas. Além disso, todas as ações no campo de batalha foram coordenadas a partir de um centro de comando conjunto.

"Vladimir Putin é conhecido como um maestro de manobras brilhantes. Mas, desta vez, ele se superou", escreveu o autor do artigo.

Tendo desferido um duro golpe contra o Daesh, a Rússia provou o seu compromisso de lutar contra o terrorismo na Síria.

Além disso, o presidente Putin surgiu como protetor do legado cultural na Síria. Logo após Palmira ter sido retomada, a Rússia forneceu os seus especialistas em desminagem para restaurar a segurança na cidade antiga.

Falando do futuro sírio, o autor ressaltou que a situação é muito complicada e difícil de prever. O envolvimento da Rússia tem ajudado o presidente Bashar Assad a restaurar as suas posições no país. O exército sírio agora está certo que irá liberar Raqqa, a capital de fato do Daesh. No entanto, isso não será possível sem a ajuda da Rússia. Verdade é que o presidente Putin não demonstrou interesse de ir tão longe.

A estratégia inicial da Rússia foi posta em prática. As regiões cruciais para o governo sírio foram garantidas, incluindo as regiões de Damasco e as zonas alauitas ao longo da costa do Mediterrâneo.

Ministério da Defesa da Rússia publica imagens de ataques ao Daesh em Palmira - Sputnik Brasil
Ministério da Defesa da Rússia publica imagens de ataques ao Daesh em Palmira (VÍDEO)
No entanto, há duas possíveis ameaças a um maior envolvimento da Rússia na Síria, aponta o autor. Em primeiro lugar, se a Rússia continuasse a apoiar a ofensiva de Assad em toda a Síria, isso poderia dificultar as negociações de paz intra-sírias em Genebra. Em segundo lugar, a Rússia correria o risco de repetir o cenário americano no Iraque, sendo arrastada para uma guerra prolongada.

"A Rússia entende claramente o principal perigo de uma operação militar no exterior. Uma vez que você começa, nunca sabe quando isso vai acabar", conclui o autor.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала