Analista: China apoiará Moscou e Damasco no processo de paz sírio

© AFP 2022 / TED ALJIBE Dragão Vermelho, o símbolo da China
Dragão Vermelho, o símbolo da China - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O governo chinês nomeou pela primeira vez um representante especial para a Síria, que tinha ocupado o cargo de embaixador chinês no Irã, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hong Lei.

"A China nomeou um enviado especial, a fim de melhor promover as negociações de paz, contribuir para um melhor contato com as partes relevantes", disse o representante oficial da pasta.

Hong Lei disse também que a China apoia os esforços do Representante Especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, na solução pacífica da crise síria. "A China se baseia no fato de que uma solução política é a única maneira de sair da crise síria", acrescentou.

A adesão da China à procura de uma solução política do conflito sírio vai ser vantajosa para a Rússia e para o governo legítimo da Síria, acredita o analista político Anton Khashchenko.

"Em princípio, a decisão da China é positiva para a Rússia e para a Síria também. Se você olhar para a posição da China ao longo dos últimos anos sobre o conflito sírio, verá que ela, juntamente com a Rússia, vetou quatro vezes a decisão do Conselho de Segurança da ONU sobre a questão síria. A China, bem como a Rússia, apoia o poder legítimo na Síria".

Ministro das Relações Exteriores da Rússia Sergei Lavrov com seu homólogo chinês Wang Yi - Sputnik Brasil
Chanceleres de China e Rússia discutem crise síria em conversa telefônica
A China, bem como a Rússia, tem um problema entre os seus próprios cidadãos, uma parte dos quais é atraída pelo Daesh. 

"É por estas razões e por uma série de outros que eu acho que a decisão da China de nomear um Representante Especial é um momento tão importante," disse Anton Khashchenko à Sputnik.

De acordo com ele, a China é definitivamente interessada em pôr fim à atividade dos grupos terroristas na região:

"A posição da China sobre esta matéria foi anunciada várias vezes. Consiste no fato de que a China apoia o processo de negociação entre Damasco e da oposição, mas em qualquer caso o Daesh não deve fazer parte desta trégua. Quanto à participação da China na operação militar contra os terroristas, deve ser entendido que ele está tentando resolver todos os problemas de maneira política", disse o analista.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала