‘Eles têm medo de ser mortos por uma mulher’

© SputnikHesibe Azade, comandante do batalhao de mulheres peshmerga, Curdistão iraquiano
Hesibe Azade, comandante do batalhao de mulheres peshmerga, Curdistão iraquiano - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Exército iraquiano continua ofensiva para liberar Mossul dos terroristas do Daesh. A milícia curda peshmerga participa desta operação. A cada vez mais mulheres se juntam aos combatentes para defender a sua Pátria.

Tropas curdas no Iraque - Sputnik Brasil
Aviação turca ataca posições curdas do PKK no norte do Iraque
A comandante do batalhão de mulheres peshmerga de 34 anos de idade, Hesibe Azade, contou a sua história à Sputnik.

O batalhão dela luta contra o Daesh perto de cidade de Dahuk no Curdistão iraquiano. Hesibe explica por que esta luta tornou o foco de toda a sua vida.

“Naquela altura eu morava em Istambul. Quando soube que os combatentes do Daesh tinham atacado Sinjar e outras cidades curdas, quando soube sobre todas aquelas ferocidades a que o meu povo foi sujeito, fiquei chocada. De imediato queria ir para a minha terra e combater pela minha Pátria, mas o meu marido não quis ir ao Curdistão. Preferiu ir para a Alemanha, e eu retornei para a minha terra. Em 2015 cheguei e peguei em armas para lutar contra o Daesh. Participei das batalhas em Serekaniye, Sinjar e outras frentes. A minha unidade se chama Força do Fogo”, disse Hesibe.

Agora estas mulheres combatem contra o Daesh nos arredores de Mossul. São trinta e chegaram de várias países, a maioria das quais são mulheres yazidi. Segundo Hesibe, o número de mulheres que entram na luta contra o Daesh cresce todos os dias.

Hesibe disse que as mulheres devem ser fortes lutando contra o Daesh e outros grupos terroristas. Em muitas áreas combatentes masculinos homens não têm direito de revistar mulheres suspeitas.

© SputnikBatalhão de mulheres peshmerga com a sua comandante Hesibe Azade, Curdistão iraquiano
Batalhão de mulheres peshmerga com a sua comandante Hesibe Azade, Curdistão iraquiano - Sputnik Brasil
Batalhão de mulheres peshmerga com a sua comandante Hesibe Azade, Curdistão iraquiano

“Nós podemos fazer isso. Além disso, podemos realizar interrogações. Limparemos os territórios curdos do Daesh sujo e vingaremos do nosso povo de Sinjar e todo o povo curdo que sofreu por causa dos terroristas. Estamos prestes para lutar até o fim para proteger a nossa dignidade e liberdade do nosso povo. É a nossa luta conjunta. Protegeremos todas as mulheres e todo o nosso povo”, disse Heside.

Kemal Kerkuki, comandnte das tropas curdas peshmerga na cidade de Kirkuk - Sputnik Brasil
Rússia entrega armas antiaéreas aos curdos peshmerga no Iraque
As mulheres peshmerga estão prontas para se sacrificar. Elas sofreram muitas perdas mas consideram todas as suas combatentes como heróis que perderam suas vidas lutando com o mal.

Hesibe afirmou que as mulheres não receiam do Daesh:

“Pelo contrário, os jihadistas têm medo das mulheres peshmerga. Têm medo de ser mortos por uma mulher porque pensam que tal morte resultará no inferno. É por isso que têm medo de nós”.

Hesibe disse que o Daesh tenta fugir mas as mulheres peshmerga cercaram as suas posições. O desejo principal de Hesibe é de acabar com os terroristas. Mas para o início, é necessário liberar Mossul.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала