Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Michelle Obama é criticada por omitir Mães e Avós de Maio em discurso na Argentina

© AP Photo / Andrew HarnikMichelle Obama
Michelle Obama - Sputnik Brasil
Nos siga no
Em seu discurso perante um auditório de jovens mulheres no Centro Metropolitano de Design, a primeira-dama dos EUA, Michelle Obama, se referiu a várias mulheres de destaque na Argentina, mas não mencionou as Mães e Avós da Praça da Maio, às vésperas dos 40 anos do golpe militar de 24 de março de 1976.

Estela de Carlotto, presidente da organização argentina de defesa dos direitos humanos Abuelas de Plaza de Mayo (Avós da Praça de Maio) - Sputnik Brasil
Avós da Praça de Maio só vão receber Obama se ele abrir arquivos sobre a ditadura
Michelle Obama se referiu-se à governadora de Buenos Aires, María Eugenia Vidal, e falou sobre Margarita Barrientos, fundadora do projeto social ‘Los Piletones’, que distribui alimentação para 1.800 pessoas diariamente. Ela também se referiu à jornalista Marcela Ojeda, que tomou a iniciativa de convocar o evento ‘Ni Una Menos’, contra a violência de gênero, em 3 de junho de 2015, que levou dezenas de milhares de mulheres a protestar contra o feminicídio.

A primeira-dama, entretanto, não fez referência às Mães e Avós da Plaza de Mayo, grupo de mulheres que lideraram a luta contra a ditadura militar na busca de seus filhos e netos desaparecidos.

A vice-presidente das Avós da Praça de Maio, Rosa Roisinblit, disse à agência Sputnik que elas não foram convidadas a participar de nenhuma atividade com a primeira-dama dos EUA. “Ela teria que se explicar porque não disse nada sobre as Avós e Mães da Praça de Maio, quando se completam 40 anos do golpe militar”, disse. 

“Fazem 39 anos que estamos lutando e que temos sorte de ter podido encontrar desaparecidos com vida, porque nossos netos são desaparecidos com vida, e temos encontrado a forma científica para devolver a identidade a nossos netos, graças a qual nós recuperamos 119 netos apropriados durante a ditadura", afirmou Roisinblit. 

"Tenho o prazer de dizer que temos ficado sempre na linha de frente como bucha de canhão, à frente de todos, conseguimos resultados e vamos continuar lutando. Enquanto haver uma Avó da Praça de Maio, essa avó continuará lutando, e os jovens já localizados continuarão lutando para encontrar seus irmãos", acrescentou. 

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала