Estudantes portugueses aproveitam para falar com cosmonauta russo

© Foto / NASA/Barry WilmoreA Terra vista da Estação Espacial Internacional
A Terra vista da Estação Espacial Internacional - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um grupo de alunos portugueses teve nesta segunda-feira (14), a oportunidade de conversar por videoconferência com seus colegas de uma escola de Moscou e com um cosmonauta russo a partir do Museu de Cosmonáutica da capital russa.

A superfície do Mercúrio - Sputnik Brasil
Matéria escura: cientistas revelam segredo da crosta de Mercúrio
Esta foi também uma forma original de alunos entre 13 e 17 anos dos dois países se conhecerem melhor. A ação de cooperação internacional, que envolveu a Câmara Municipal (prefeitura) da Maia, a Embaixada da Federação da Rússia, a Agência Federal de Cooperação Internacional Cultural da Rússia, a Escola Secundária da Maia e o Museu de Cosmonáutica de Moscou, permitiu, através de videoconferência, que alunos portugueses e russos pudessem partilhar conhecimentos e experiências, bem como colocar questões ao cosmonauta russo Aleksandr Laveikin. O cosmonauta participou em 1987, a bordo da nave Soyuz TM-2, na missão MIR-2, no âmbito da qual permaneceu 174 dias no espaço. Este evento decorreu entre o auditório da Escola Secundária da Maia e o Museu de Cosmonáutica de Moscou e pretendeu também assinalar os 55 anos da primeira viagem do homem ao espaço (Yury Gagarin, 12 de Abril de 1961).
© Foto / Câmara Municipal da MaiaVideoconferência entre estudantes da escola secundária e alunos da escola de Moscou a partir do Museu de Cosmonáutica, Maia, Portugal, 14 de março de 2016
Videoconferência entre estudantes da escola secundária e alunos da escola de Moscou a partir do Museu de Cosmonáutica, Maia, Portugal, 14 de março de 2016 - Sputnik Brasil
Videoconferência entre estudantes da escola secundária e alunos da escola de Moscou a partir do Museu de Cosmonáutica, Maia, Portugal, 14 de março de 2016

A Sputnik falou com o diretor da Escola Secundária da Maia, professor Rui Duarte, que nos explicou os objetivos e a forma como decorreu o evento.

"Foi um privilégio ter participado neste evento, que é de certa forma pioneiro. A emissão foi feita a partir do Museu de Cosmonáutica. Lá estava um grupo de alunos, os organizadores, o cosmonauta, o ministro conselheiro da embaixada portuguesa Paulo Santos. Inicialmente, houve uma primeira parte de apresentações, dos dois lados, para se fazer alguma socialização entre os estudantes, houve perguntas entre eles. Seguiu-se uma segunda parte, mais técnica, com perguntas ao cosmonauta. Houve uma pergunta interessante, por exemplo, os estudantes portugueses quiseram saber porque não há mais mulheres cosmonautas. Foram feitas também algumas perguntas técnicas, como as características das naves espaciais ou a preparação física dos cosmonautas para este tipo de missões".

© Foto / Câmara Municipal Estudante portuguesa fala com seus colegas russos por videoconferência, Maia, Portugal, 14 de março de 2016
Estudante portuguesa fala com seus colegas russos por videoconferência, Maia, Portugal, 14 de março de 2016 - Sputnik Brasil
Estudante portuguesa fala com seus colegas russos por videoconferência, Maia, Portugal, 14 de março de 2016

Astronauta da NASA Chris Cassidy ao tirar foto da Terra da EEI - Sputnik Brasil
Como a vida no espaço afeta as pessoas?
Pedimos também ao diretor da escola que nos dissesse qual foi o objetivo desta iniciativa.

"O objetivo foi dar a oportunidade aos nossos alunos e aos jovens russos de interagirem sobre um tema que, naturalmente, da parte russa, lhes é muito caro, o tema espacial e também dar oportunidade de participarem numa tecnologia que está ao alcance de todos (a videoconferência). Houve também um minucioso trabalho organizativo da parte do adido cultural da Embaixada russa em Lisboa, sr. Vladimir Luzgin".

Lançamento de um foguete portador russo Proton-M - Sputnik Brasil
Missão russo-europeia buscará vida em Marte
Não pudemos deixar de perguntar de que forma os organizadores da videoconferência veem a iniciativa nesta altura difícil do mundo, em que há tantas guerras e conflitos, incluindo com a participação da Rússia.

"Sabe, uma coisa é a sociedade civil e outra coisa é o mundo da política, que muitas vezes não coincidem. Da nossa parte, há uma vontade muito grande de estabelecer protocolos, mecanismos de cooperação, também com a Rússia, do género do programa Erasmus, que até agora não existem. Há uma vontade da Câmara Municipal de promover e ajudar esta parceria com a Rússia. Foi uma iniciativa muito boa, os alunos mais novos ficaram bastante entusiasmados".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала