Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Intelectuais argentinos enviam carta para Macri e falam em violações dos direitos humanos

© AFP 2021 / Eitan Abramovich Mauricio Macri, presidente de Argentina
Mauricio Macri, presidente de Argentina - Sputnik Brasil
Nos siga no
Em carta aberta para o presidente da Argentina, Mauricio Macri, grupo de intelectuais, artistas e trabalhadores da cultura manifestou preocupação sobre a situação dos direitos humanos no país.

Nesta terça-feira, foi divulgada uma carta aberta de “intelectuais, escritores, artistas, acadêmicos e trabalhadores da cultura da argentina”, endereçada ao presidente Mauricio Macri, que manifestaram preocupações com recentes medidas e declarações do novo governo argentino sobre direitos humanos. 

Manifestação em Buenos Aires pela libertação de Milagro Sala - Sputnik Brasil
Exclusivo – Advogado de Milagro Sala afirma: ‘Ela é, de fato, uma presa política’
Um dos tópicos da carta tratava das recentes declarações do atual ministro da cultura da Cidade de Buenos Aires, Dario Loperfido, que em um discurso público, na segunda-feira, 25 de janeiro, declarou que o número de desaparecidos durante a ditadura militar no país era uma mentira e teria sido menor.  

“Consideramos estas declarações como uma clara tentativa de banalizar e minimizar as atrocidades cometidas nesses anos, assim como colocar em descrédito as agências e as políticas de direitos humanos”, pontua o texto, que pede a renúncia de Loperfido. 

Os autores da carta argumentam que as declarações do ministro “surgem num contexto geral em que o governo nacional tem dado, por ação ou omissão, sinais cada vez mais alarmantes de uma falta de compromisso político com a verdade, memória e justiça.” Segundo o texto, o governo tem dado sinais de que pretende rever os resultados dos julgamentos dos crimes da ditadura, por recebeu representantes de organizações que defendem esta agenda.

Milagro Sala - Sputnik Brasil
Opinião: Milagro Sala e Victor Hugo Morales são vítimas da repressão na Argentina
A carta foi assinada por acadêmicos, artistas e escritores Germán Garrido, Gabriel Giorgi, Cecilia Palmeiro, Mariano López-Seoane, Andrea Giunta, Mariano Siskind, Roberto Jacoby, Walter Mignolo, Francine Masiello, Esteban Buch, Arcadio Díaz Quiñones, Sergio Chejfec, Graciela Montaldo, Gonzalo Aguilar, Sandra Garabano, Florencia Garramuño, Leandro Katz, Diamela Eltit, Rossana Reguillo, Margo Glantz, Mario Bellatin, Jorge Gumier Maier, Jens Andermann, María Pía López, Natalia Brizuela, Valeria de los Ríos, Ana Longoni, Juan José Cambre, Paola Cortés Rocca, Fermín Rodríguez, Edgardo Dieleke, Marta Dillon, Fernanda Laguna, Cecilia Sosa, Luiz Ruffato, Mauricio Lissovsky, María Soledad Boero, Fernando Degiovanni, Francisco Garamona, Damián Fernández, Virginia Giannoni, Fernando Davis, Laura León Llerena, Ruy Krieger, Juliana Laffitte, Matías Piñeiro, Mario Pellegrini, Ignacio D’Amore e Paloma Vidal.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала