Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Ministro grego: EUA e UE devem trabalhar com a Rússia contra terrorismo

© Sputnik / Igor Zarembo / Abrir o banco de imagensFSB officers carry out a plan of action to secure captured terrorists in a building in anti-terrorism exercises
FSB officers carry out a plan of action to secure captured terrorists in a building in anti-terrorism exercises - Sputnik Brasil
Nos siga no
Imaginar que a Rússia representa uma ameaça ao Ocidente é uma fantasia da Guerra Fria de um filme de James Bond, disse o ministro da Defesa grego Panos Kammenos durante uma conferência em Atenas, informa a RIA Novosti.

Parada militar do Dia da Vitória, em Moscou - Sputnik Brasil
Oficial americano diz que Rússia é força destrutiva mais perigosa do que Daesh
Os medos ocidentais de uma ameaça da Rússia são baseados na ficção da Guerra Fria e os EUA e a União Europeia devem trocar informações com Moscou para enfrentar o terrorismo e a crise migratória, manifestou Kammenos.

“Devemos manter uma cooperação com a Rússia, trocar informação sobre o inimigo comum: o terrorismo”, declarou.

“Deve haver uma cooperação internacional na troca de dados. A inteligência militar deve trocar informação com a OTAN e a UE, mas também com os países amigáveis. Os ministros da OTAN evitam uso da palavra ‘Rússia’, mas porque não? Devemos cooperar com a Rússia, não nos esqueçamos dos terroristas chechenos que atacaram a Maratona de Boston”.

Em abril de 2013 Tamerlan Tsarnaev e Dzhokhar Tsarnaev, irmãos de origem chechena, instalaram duas bombas à chegada da Maratona de Boston, que mataram três pessoas e feriram pelos menos 264. Mais tarde tornou-se público que as autoridades russas tinham avisado o FBI e CIA em 2011 que Tamerlan Tsarnaev poderia ter ligações a islamistas radicais.

Caminhões do petróleo, que, segundo o Ministério de Defesa da Rússia, estão sendo utilizados por militantes do Daesh, são atingidos por ataques aéreos realizados pela Força Aérea da Rússia, em um local desconhecido na Síria, nesta imagem tomada de um vídeo divulgado pela pasta de Defesa da Rússia em 18 de novembro - Sputnik Brasil
Ministro da Defesa da Grécia: grande parte do petróleo do Daesh passa pela Turquia
Na conferência, Kammenos também enfatizou que qualquer ameaça à Europa vem não da Rússia, mas sim do terrorismo com origem no Oriente Médio e África do Norte. 

“Nos países ocidentais há um medo, mas falar agora de um inimigo a norte é como escrever um roteiro para [um filme] de James Bond; tal não existe. Desde o fim da Guerra Fria não há ameaça a norte. O inimigo está no sul, no Oriente Médio e na África do Norte. Tem muito dinheiro e usa os próprios cidadãos de países ocidentais, imigrantes de segunda e terceira geração como na França, eles têm laços com o fluxo de migrantes e refugiados”.

Trabalhador em refinaria de petróleo - Sputnik Brasil
Israel confirma acusações da Rússia sobre petróleo do Daesh na Turquia
O ministro da Defesa também se referiu à necessidade de cortar o financiamento de grupos terroristas e reiterou a sua acusação, apoiada pela Rússia e Israel, de que a Turquia assiste o grupo terrorista Daesh na coleta de fundos necessários para o terrorismo.

“O vice-presidente dos EUA Joe Biden, o governo russo, o ministro da Defesa de Israel, todos fizeram declarações sobre isto”, disse Kammenos.

Lembramos que, em 26 de janeiro, Panos Kammenos teve uma reunião com o seu homólogo israelense Moshe Yaalon na qual eles discutiram o apoio da Turquia ao Daesh e exprimiram a esperança que Ancara mude a sua política.

O grupo terrorista Daesh (proibido na Rússia e reconhecido como terrorista pelo Brasil) autoproclamou-se "califado mundial" em 29 de junho de 2014, tornando-se imediatamente uma ameaça explícita à comunidade internacional e sendo reconhecido como a ameaça principal por vários países e organismos internacionais. Porém, o grupo terrorista tem suas origens ainda em 1999, quando um jihadista de tendência salafita, o jordaniano Abu Musab al-Zarqawi, fundou o grupo Jamaat al-Tawhid wal-Jihad. Depois da invasão norte-americana no Iraque em 2003, esta organização começou a fortalecer-se, até transformar-se, em 2006, no Estado Islâmico do Iraque. A ameaça representada por esta entidade foi reconhecida pelos serviços secretos dos EUA ainda naquela altura, mas reconhecida secretamente, e nada foi feito para contê-la. Como resultado, surgiu em 2013 o Estado Islâmico do Iraque e do Levante, que agora abrange territórios no Iraque e na Síria, mantendo a instabilidade e fomentando conflitos.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала