Turquia exclui curdos sírios das negociações sobre Síria em Genebra

© AFP 2022 / Marwan IbrahimMilitares curdos
Militares curdos - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os curdos sírios não foram convidados para as conversações internas da Síria em Genebra por pressão da Turquia. A informação foi divulgada pelo porta-voz do Partido na União Democrática (PYD), Jaled Isa.

Um homem prende a bandeira do Partido de União Democrática (PYD) dos curdos sírios. - Sputnik Brasil
Turquia pode impedir negociações sírias para pressionar curdos
“Não recebemos convite algum, é claro, por conta da pressão da Turquia”, declarou ele. 

Segundo o porta-voz, a Turquia “não quer que a conferência de Genebra tenha êxito, não quer uma solução democrática para a crise síria”. 

“Sabem que temos um projeto democrático, um território três vezes maior que o Líbano, e somos umas das maiores forças que soube mostrar oposição ao terrorismo”, disse. 

Jales Isa declarou que os curdos buscam sulocionar a crise. 

“Participamos das conversações, mas na situação atual a bola está nas mãos das forças regionais e internacionais; se eles estavam falando sério sobre como resolver a crise, eles não teriam nos excluído", disse. 

O representante curdo observou que o projeto laico e democrático dos curdos sírios assusta a Turquia, Arábia Saudita e o Qatar.

Um cartaz com uma imagem do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, apresentado em Istambul, Turquia - Sputnik Brasil
Curdos protestam em Genebra contra ações da Turquia
Anteriormente, o enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, havia informado ao ministro das Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, que não convidaria o partido dos curdos sírios União Democrática para as conversações internas da Síria. 

De Mistura anunciou que estas negociações comecariam no próximo 29 de janeiro teriam a duração de seis meses. 

A Resolução 2254, adotada pelo Conselho de Segurança pelos 15 membros em 18 de dezembro, entre outras diretrizes, fixou um prazo de seis meses para que seja estabelecido na Síria um governo "credível, inclusivo e não-sectário", bem como um calendário e um processo para a elaboração de uma nova Constituição.

Também espera-se que sejam realizadas eleições livres e justas sob a nova Constituição, a ser realizada no prazo de 18 meses e sob a supervisão das Nações Unidas. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала