Presidente do Afeganistão quer 'enterrar o Daesh'

© AFP 2022 / NOORULLAH SHIRZADADuas pessoas acusadas de militar nas fileiras do Daesh foram apresentadas à mídia em 20 de janeiro pela polícia da cidade de Jalalabad, na província afegã de Nangarhar
Duas pessoas acusadas de militar nas fileiras do Daesh foram apresentadas à mídia em 20 de janeiro pela polícia da cidade de Jalalabad, na província afegã de Nangarhar - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani Ahmadzai, declarou que o grupo terrorista Daesh (também conhecido como Estado Islâmico) será derrotado em breve no seu país.

Em uma entrevista concedida à emissora britânica BBC, o mandatário afegão disse que o Daesh "enfrentou as pessoas erradas", referindo-se às tentativas dos jihadistas de se estabelecerem no Afeganistão.

"O Estado Islâmico não é um fenômeno afegão", ressaltou Ghani Ahmadzai, indicando a necessidade de intensificar a luta.

"Isso poderá ser o ponto de não retorno para o Daesh; vamos enterrar o Daesh", frisou o presidente.

As informações sobre a passagem de militantes e a instalação de bases secretas do Daesh no Afeganistão começaram a surgir em meados de 2015, menos de um ano após a proclamação, em Raqqa (Síria), do "califado mundial" pelo líder do Daesh (então mundialmente conhecido como "Estado Islâmico do Iraque e do Levante", ou nas siglas ISIL, em inglês, e EI, em português). Em uma sessão da Estrutura Antiterrorista da Organização para Cooperação de Xangai (SCO), a parte russa apresentou dados da inteligência que apontavam para um certo crescimento, no Norte do Afeganistão, de elementos radicais que não eram partidários do Talibã.

© Agência fotográfica / Abrir o banco de imagensAshraf Ghani Ahmadzai durante cúpula da SCO em Ufá
Ashraf Ghani Ahmadzai durante cúpula da SCO em Ufá - Sputnik Brasil
Ashraf Ghani Ahmadzai durante cúpula da SCO em Ufá

Talibã

Militantes do Talibã no Afeganistão, 13 de outubro de 2015 - Sputnik Brasil
Talibã pode ser reconhecido como legítimo
O Talibã é um grupo terrorista que atua no Afeganistão e no Paquistão. O governo do Afeganistão tem assumido o compromisso de combatê-lo e, em meados do ano passado, fez uma tentativa de pacificar a situação através de negociações — inclusive com a participação da China.

Em outubro, o Talibã ocupou a cidade estratégica de Kunduz. Logo depois, as forças da OTAN assestaram um golpe aéreo contra um hospital da organização internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) situado nessa cidade; o comando militar informou que havia relatos sobre a presença de militantes no interior do local. Assim, o confronto entre o Talibã e as forças militares estrangeiras voltaram a ser uma manchete mundial.

Na entrevista à BBC, Ghani destacou que o conflito pode se agravar caso as negociações não sejam retomadas até o mês de abril.

"O tempo não espera. Todos compreendemos que os meses de fevereiro e março são muito importantes", frisou o presidente.

Três províncias e 'jogos terroristas'

O representante da ONU no Afeganistão, Nicholas Haysom, disse à agência de notícias russa RIA Novosti que há três províncias no Afeganistão onde o Talibã e o Daesh lutam entre si.

O Daesh atuava inicialmente em certas áreas da Síria e do Iraque. Depois, vários grupos terroristas de tendência islamista em outros países, como o Boko Haram, na Nigéria, juraram fidelidade ao Daesh.

Em 30 de setembro de 2015, as autoridades da Federação da Rússia enviaram o primeiro lote de aviões militares para responder a um pedido do governo sírio e começar a prestar ajuda aérea no combate ao Daesh nesse país.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала