Alemanha confisca dinheiro de refugiados para cobrir despesas

© AP Photo / Bernd von JutrczenkaRefugiados e imigrantes esperam pelo Escritório de Serviços Sociais em Berlim, Alemanha, 11 de setembro de 2015
Refugiados e imigrantes esperam pelo Escritório de Serviços Sociais em Berlim, Alemanha, 11 de setembro de 2015 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Em meio à crise deflagrada pelo enorme afluxo de refugiados e imigrantes na Alemanha, os estados federados da Baviera e de Baden-Württemberg começaram a confiscar parte do dinheiro dos recém-chegados.

Polícia usa canhão d'água durante protesto contra imigração em Colônia, Alemanha - Sputnik Brasil
Refugiados afegãos são atacados por neonazista em pista de esqui da Alemanha
Os refugiados já precisavam apresentar seu dinheiro e suas joias para a polícia local ao entrarem em alguns países europeus, segundo relata a revista alemã Spiegel Online.

A regra foi primeiramente introduzida pela Dinamarca e pela Suíça em dezembro de 2015, provocando vários protestos em toda a Europa. A medida visava "encontrar ativos que pudessem cobrir as despesas" do Estado, relatou o jornal Washington Post.

Agora, além dos dinamarqueses e dos suíços, parece que os alemães também começaram a confiscar o dinheiro dos refugiados que entram no país.

A polícia está autorizada a confiscar itens valiosos e dinheiro em espécie dos imigrantes, deixando-os com um montante mínimo de 750 euros por pessoa, segundo disse o ministro do Interior da Baviera, Joachim Herrmann, em declaração ao jornal alemão Bild.

Chanceler da Alemanha Angela Merkel - Sputnik Brasil
Merkel reconhece que a Europa é incapaz de controlar os refugiados
No estado alemão de Baden-Württemberg, os refugiados podem ficar com apenas 350 euros, além de alguns itens considerados necessários para manter um padrão de vida modesto, como relógios e telefones celulares.

Em dezembro de 2015, segundo a mídia alemã, as autoridades de Baden-Württemberg apreenderam dezenas de milhares de euros dos recém-chegados. A medida foi amplamente criticada, mesmo com o argumento das autoridades locais de que os que recebem benefícios do Estado devem primeiro cobrir as despesas com os seus próprios recursos.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала