Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Caravanas pelos 43 estudantes desaparecidos de Ayotzinapa cruzam o México por justiça

© REUTERS / Carlos JassoFamiliares seguram imagens de alguns dos 43 estudantes desaparecidos de Ayotzinapa, em marcha na Cidade do México
Familiares seguram imagens de alguns dos 43 estudantes desaparecidos de Ayotzinapa, em marcha na Cidade do México - Sputnik Brasil
Nos siga no
As famílias dos 43 estudantes de Ayotzinapa desaparecidos em 27 de setembro de 2014 organizaram duas caravanas que estão cruzando o México para manter viva a luta pela verdade sobre o destino de seus filhos.

​Uma das caravanas partiu da fronteira sul do México, no estado de Chiapas, e a outra saiu do norte, no estado de Chihuahua. As duas colunas deverão se encontrar no centro do país em 28 de janeiro.

Joaquín Guzmán, “El Chapo”, quando foi preso em fevereiro de 2014. - Sputnik Brasil
México captura chefão do tráfico Joaquin Guzman, o 'El Chapo'
Durante o caminho, as famílias e amigos dos estudantes desaparecidos estão se reunindo com movimentos e organizações sociais, reiterando que o mais importante é descobrir o que aconteceu no dia do desaparecimento, bem como o paradeiro dos jovens.

Além disso, as famílias mantém a convicção de que o desaparecimento dos 43 de Ayotzinapa é culpa e responsabilidade do Estado mexicano, e que em nenhum momento eles foram tocados pelo crime organizado, como afirmam as autoridades federais.

​De acordo com a "verdade histórica" oferecida pelo Gabinete da Procuradoria-Geral da República (PGR) do México, os 43 alunos foram detidos pela polícia de Iguala, no estado de Guerrero, e entregues ao cartel Guerreros Unidos, que teria matado e queimado seus corpos, sob a acusação de pertencerem ao cartel rival Los Rojos. 

​A versão é rejeitada pelos pais dos desaparecidos, que acreditam que a tragédia seria mais um episódio de repressão política à escola dos estudantes, conhecida na região por contestar os desmandos do poder local e o descaso do Estado com a população.

Até agora, apenas os restos dos estudantes Alexander Mora Venancio e Jhosivani Guerrero foram identificados.

​Segundo um estudo realizado pela Procuradoria-Geral mexicana em setembro de 2015, houve um total de 25.648 desaparecimentos forçados no país durante os últimos 10 anos.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала