Saiba a diferença das operações da Rússia e dos EUA na Síria

© Foto / Screenshot: YouTubeAviação russa atinge posto de controle do Estado Islâmico na Síria
Aviação russa atinge posto de controle do Estado Islâmico na Síria - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Força Aérea da Rússia na Síria realiza ataques contra terroristas somente após a confirmação das informações através de vários canais. Quem informa é o representante oficial do Ministério da Defesa da Rússia, major-general Igor Konashenkov.

A Força Aérea da Rússia na Síria realiza ataques contra terroristas somente após a confirmação das informações através de vários canais. Quem informa é o representante oficial do Ministério da Defesa da Rússia, major-general Igor Konashenkov. 

Bandeiras da Síria na cidade de Madaya, em 14 de janeiro - Sputnik Brasil
Rússia começa operação humanitária na Síria
“Chamo a atenção para o fato de que os ataques da nossa Força Aérea na Síria são aplicados contra posições terroristas apenas quando confirmamos as informações através de vários canais. Se houver risco à vida de civis pacíficos, os ataques a esses alvos não são realizados”, disse o major-general. 

Segundo ele, esta é a principal diferença entre a forma de operar da Federação da Rússia e a da coalizão liderada pelos Estados Unidos.

"De acordo com a correspondente da CNN no Pentágono, Barbara Star, o comando americano decide sobre a aplicação dos ataques aéreos sob a condição de que o número de civis mortos não seja superior a 50 pessoas. Como se costuma dizer, vocês podem sentir a diferença. Nossa aviação nem planeja ataques aéreos quando existe a probabilidade de vítimas civis", disse Konashenkov.

A aviação russa fez 311 voos de combate e bombardeou 1.097 instalações dos terroristas na Síria desde o início de 2016, disse o Estado-Maior nesta segunda-feira (11). 

Em 30 de setembro, Moscou enviou o primeiro batalhão aéreo à Síria para ajudar as Forças Armadas desse país a combater os terroristas que pioram a situação no país, que sofre de uma guerra civil desde 2011. Foi o próprio governo sírio, cujo presidente é Bashar Assad, quem solicitou tal ajuda militar.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала