Mulheres não ficam atrás dos homens no combate ao Daesh

© AFP 2022 / Delil SouleimanUma mulher combatente curda da Unidade de Proteção do Povo (YPG) na linha de frente na Síria.
Uma mulher combatente curda da Unidade de Proteção do Povo (YPG) na linha de frente na Síria. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Nem só os homens combatem os terroristas na Síria. As Unidades Femininas de Proteção (YPJ), que fazem parte das Unidades de Proteção Popular (YPG), conduzem uma luta eficaz contra o Daesh no norte do país, também conhecido como Curdistão Sírio.

Milicianas curdas da Unidade de Proteção do Povo (YPG) fazem uma pausa na linha de frente na cidade síria de Hasakeh. - Sputnik Brasil
Amazonas do Oriente Médio: mulheres combatem Estado Islâmico
Além do Daesh, a unidade feminina combate a Frente al-Nusra, afiliada com a al-Qaeda. 

A comandante da subdivisão feminina, Servin Rojava, contou à Sputnik como é feito o combate aos jihadistas e qual a estratégia das ações militares.

Servin Rojava explicou que, embora o batalhão fosse oficialmente criado em 4 de abril de 2013, elas participaram das ações militares já desde 2012, nomeadamente, nas cidades de Afrin e Ras al-Ayn. 

“A YPJ foi criada para defender não só as mulheres curdas, mas também árabes, turcomenas e assírias. Sem uma defesa eficaz a vida genuína da sociedade é impossível. As armas e ações militares nunca foram um objetivo para nós, é somente um método de estar em segurança. Somos a favor de métodos políticos da resolução do conflito”, frisou a comandante.

Servin Rojava referiu que nas fileiras da YPJ há cidadãs estrangeiras, que às vezes morrem em combate. 

“As YPJ não são uma formação militar, são forças de defesa. Ensinamos táticas de defesa, esta é a linha principal da nossa atividade”, sublinhou a chefe da subdivisão.

A Síria se encontra mergulhada em uma sangrenta guerra civil desde o início de 2011, com as forças fiéis ao governo tendo que combater uma série de fações e grupos extremistas de oposição, com destaque para os jihadistas do Daesh (EI) e da Frente Al-Nusra. Diversos Estados estrangeiros vêm tentando estabelecer um canal de diálogo entre o governo do presidente Bashar Assad e alguns setores da oposição, de forma a encontrar um caminho para a estabilização política no território nacional.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала