'EUA devem se preocupar com instalação de base chinesa na África'

© AP Photo / Andy WongSoldados do Exército de Libertação Popular da China durante treinamento nos arredores de Pequim em julho de 2014
Soldados do Exército de Libertação Popular da China durante treinamento nos arredores de Pequim em julho de 2014 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O plano da China de instalar uma base militar no Djibuti pode ser o primeiro passo para um maior envolvimento de Pequim na África, uma estratégia que promete irritar seriamente os Estados Unidos, conforme escreveu o jornalista James Poulos para a revista The Week.

Ensaio para a parada do dia da Marinha da Rússia em Baltiysk. A Frota do Báltico. - Sputnik Brasil
Nova realidade: Rússia e China desafiam supremacia naval dos EUA
No ano passado, a China iniciou uma discussão com as autoridades do Djibuti para estabelecer um hub logístico e um campo de pouso no território do Estado africano, situado a leste do golfo de Áden. Os EUA, que também possuem instalações militares no país, logo demonstraram preocupação com a expansão da esfera de influência chinesa. 

"Graças aos diferentes desafios e prioridades das duas potências, a intervenção africana está se configurando como uma festa para a China e uma penúria para os EUA", afirmou Poulos. 

A posição geográfica do Djibuti, banhado pelo Mar Vermelho, e a sua estabilidade fazem do país um ponto extremamente estratégico tanto para Washington como para Pequim. No entanto, enquanto os americanos têm utilizado suas bases na África para coordenar operações com drones, a nova manobra da China representará apenas mais uma fase de sua forte política de investimentos no continente africano.

"Na África, a China encontrou não apenas um mercado para dinheiro, mas também para trabalho e terra, componentes cruciais para um crescimento econômico sustentado". 

Durante o último Fórum de Cooperação China-África, realizado no mês passado, em Johanesburgo, Pequim prometeu um investimento no valor de 60 bilhões de dólares no continente africano, principalmente na forma de empréstimos e créditos à exportação. 

Segundo o Council of Foreign Relations, entidade sediada em Nova York, a China opera na África com mais desenvoltura e com relações mais sutis e mutuamente benéficas do que as corporações norte-americanas e o governo federal dos EUA.

"O esforço diplomático mais visível dos EUA na África, o (projeto) Power Africa, está mancando. As empresas americanas não aproveitaram o suficiente". 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала