- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Opinião: possível embaixador de Israel no Brasil ‘cometeu crimes militares’

© East News / UPI Photo / eyevineSoldados israelenses na fronteira com a Faixa de Gaza
Soldados israelenses na fronteira com a Faixa de Gaza - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
As autoridades e a comunidade palestina fica indignada com a possibilidade de nomeação de Dani Dayan, um dos maiores aspiradores da política de assentamentos nos territórios ocupados por Israel, como embaixador desse país no Brasil.

Cidadãos libaneses empunham um cartaz com o retrato de Samir Kuntar durante a cerimónia de funerais do membro do Hezbollah, Beirute, Líbano, 21 de dezembro de 2015 - Sputnik Brasil
Assassinato de ativista do Hezbollah por Israel viola soberania da Síria
Muhammed Asaad El-Ewewy, professor da Universidade de Jerusalém, deu uma entrevista à Sputnik criticando a decisão de Israel e elogiando a posição cautelosa das autoridades brasileiras:

“Estes sionistas quando cometem crimes de guerra (e política de assentamentos é um crime de guerra evidente) e depois [um deles] recebe um cargo diplomático, este fato contradiz todas as leis de diplomacia. A posição do Brasil era previsível porque nós – o povo palestino sempre respeitava os povos e governos da América Latina por causa da sua posição em relação ao Mundo Árabe e especialmente em relação à Palestina”.

Ele também apelou à abertura de processos penais contra os ocupantes da Palestina:

“É preciso boicotar e processar no Tribunal Penal Internacional todas as pessoas ligadas à ocupação da Palestina por cada crime de guerra cometido contra a Palestina. É preciso aplicar os esforços conjuntos dos países árabes e demais que reconhecem os direitos do povo palestino para responsabilizar os criminosos”.

Bandeiras de Israel e da Palestina - Sputnik Brasil
Dilma: Aumento de violência entre palestinos e israelenses preocupa Brasil
“Cada dia as Forças Armadas dos ocupantes [exército de Israel] cometem crimes contra palestinos e os líderes da resistência <…> é preciso criar uma pressão internacional contra ocupantes”, concluiu o professor.

A candidatura de Dani Dayan para o cargo de embaixador israelense no Brasil foi apresentada oficialmente em agosto. Desde então, o Planalto prefere se calar a sua postura.

No entanto, na quarta-feira da semana em curso, dia 23, a embaixada da Palestina no Brasil rompeu o silêncio diplomático afirmando que desaprova desta nomeação.

Uma fonte na embaixada palestina citada pelo jornal Valor informou de um encontro com a representação brasileira em Ramallah, capital da Autoridade Nacional Palestina.

Vista de Jerusalem - Sputnik Brasil
Opinião: 'O Brasil defende o diálogo entre Israel e Palestina'
O Brasil, por sua parte, não aprova da política de assentamentos que Israel realiza na Cisjordânia, território reclamado pela Palestina e reconhecido pela comunidade internacional como ocupado por Israel. E Dani Dayan presidiu durante seis anos, de 2007 a 2013, o Conselho Yesha, que representa os colonos israelenses na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental.

Em vista da postura brasileira e da situação internacional atual, dar credencial a Dayan significaria fomentar as divergências já existentes entre Israel e a Palestina e aumentar a tensão internacional.

Já prolongar ainda mais o anúncio da decisão pode resultar em críticas ao governo brasileiro. No ano passado, o porta-voz da chancelaria israelense, Yigal Palmor, chamou o Brasil de "anão diplomático" após o país latino-americano ter retirado o seu embaixador, na sequência de um ataque israelense contra a Faixa de Gaza.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала