Especialista norte-americano: Obama quer ‘derrotar’ Putin bloqueando eleições na Síria

© Sputnik / Aleksey Nikolskyi / Abrir o banco de imagensPresidente da Rússia, Vladimir Putin, e presidente dos EUA, Barack Obama
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, e presidente dos EUA, Barack Obama - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O historiador e jornalista norte-americano, Eric Zuesse, afirmou em seu blog que o presidente dos EUA, Barack Obama, persegue dois objetivos: “Ele está tentando ‘derrotar’ o presidente russo, Vladimir Putin, e joga suas fichas na eleição presidencial na Síria”.

Presidente dos EUA Barack Obama - Sputnik Brasil
Obama: Casa Branca informou mal a população sobre operações contra Daesh
Segundo o analista, Barack Obama finalmente reconheceu que o futuro da Síria só poderia ser determinado por meio de eleições livres e justas supervisionadas internacionalmente, uma posição que a Rússia defende há anos. No entanto, Zuesse insiste que o compromisso de Obama é puramente verbal.

De acordo com o historiador, Obama não pode admitir isso publicamente, mas estaria tentando fazer o que puder para “encontrar alguma maneira de derrotar Putin na Síria bloqueando a eleição que Putin tem pressionado para acontecer”.

Aeródromo militar de Marj al-Sultan retomado pelo Exército sírio no sudeste de Damasco, Síria, 19 de dezembro de 2015 - Sputnik Brasil
Resolução sobre a Síria mostra que 'Putin tinha razão'
Zuesse chegou ao ponto de dizer que Obama não está apenas interessado em neutralizar a Rússia. As políticas do presidente dos EUA são consistentes com “o esforço da aristocracia norte-americana de décadas e com a intenção de controlar a Rússia”.

Segundo o especialista, as eleições democráticas na Síria provavelmente complicarão as coisas para Obama se o presidente sírio, Bashar Assad, tiver permissão para realiza-las.

“Qualquer eleição livre e justa monitorada internacionalmente na Síria quase certamente irá escolher Bashar Assad para liderar o país por uma margem enorme. A maioria dos sírios, até mesmo muitos sunitas sírios, prefere um líder não-sectário, e não o tipo que os EUA e a aristocracia saudita quer impor lá para derrotar a Rússia”, explicou Zuesse.

Presidente sírio Bashar Assad e sua esposa, Asma Assad - Sputnik Brasil
Como Bashar Assad, 'ditador' e 'assassino' no Ocidente, tem tanta popularidade na Síria?
O especialista defende que Washington entende que este é o cenário mais provável. Por isso a liderança norte-americana seria tão inflexível com a condição de que Assad deixe o cargo para o início do processo de paz.

Os comentários de Zuesse aconteceram depois que o Conselho de Segurança da ONU aprovou uma resolução abrindo caminho para um processo de paz sustentável na Síria. O documento esboça um quadro e um cronograma para um cessar-fogo, que, uma vez alcançado, deverá supervisionado pelas Nações Unidas. O historiador norte-americano sublinhou que o acordo reflete as propostas da Rússia para a Síria.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала