Abençoados os que creem: Sérvia negocia últimos capítulos da adesão à UE

© Fotobank.ru/Getty ImagesSede da Comissão Europeia em Bruxelas
Sede da Comissão Europeia em Bruxelas - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Nesta segunda-feira (14) em Bruxelas a delegação do governo sérvio, liderada pelo premiê Aleksandar Vucic, iniciará oficialmente o debate sobre os dois últimos capítulos objeto de negociações para a adesão do país à União Europeia.

Os capítulos em questão são: o número 32, sobre o controle financeiro, e o número 35, o mais disputado e último, sobre a normalização de relações com o Kosovo, que unilateralmente proclamou a independência da Sérvia em 2008.

O vice-presidente do Centro da política externa em Belgrado (Sérvia) Dragan Djukanovic opina que por meio das negociações sobre o capítulo 35, a União Europeia quer forçar Belgrado e Pristina (Kosovo) a começar o processo de normalização e realização dos acordos já atingidos o mais breve possível.

“A futura dinâmica das negociações dependerá precisamente dos êxitos sobre o capítulo 35”, disse.

Chamas dos incêndios em resultado dos ataques aéreos da OTAN iluminam o céu de Belgrado, Iugoslávia, 24 de março de 1999 - Sputnik Brasil
Bálcãs resistem a ‘fascismo’ da OTAN
É importante notar que, na sua maioria, a mesma Pristina põe obstáculos à  implementação dos acordos atingidos, onde, pelo menos desde Janeiro, foi bloqueada a decisão sobre um dos pontos-chave da normalização – a criação de chamada Associação de Comunidades Sérvias em Kosovo, que deveria dar uma espécie de autonomia à minoria sérvia.

O reconhecimento da independência de Kosovo seria a decisão ideal para a UE, mas as autoridades sérvias já têm várias vezes declarado que nunca reconhecerão a independência da sua província meridional.

A situação se torna ainda mais difícil pelo fato de, desde o início dos anos 2000, os cidadãos da Sérvia estão ouvindo declarações de altos funcionários europeus que são um exemplo de relação preconcebida com Belgrado.

Um homem passa perto da cartaz com inscrições Rússia e Sérvia, 17 de outubro de 2014 - Sputnik Brasil
‘Ultimato' europeu é ‘suicídio' para Sérvia?
Por exemplo, a relatora especial sobre o Kosovo no Parlamento Europeu, Ulrike Lunacek, recentemente elogiou o Estado não reconhecido pelo fato de, usando os meios de contribuintes de Kosovo, muitos monumentos sérvios na província terem sido reconstruídos. 

Mas Lunacek nunca menciona um detalhe interessante: durante as ações contra a Sérvia em 2004, mais de 10 pessoas foram mortas, 35 igrejas foram queimadas e 738 casas destruídas. Na mesma altura, 4.000 sérvios foram expulsos de Kosovo, tudo isso na presença das missões da ONU e da OTAN, que deveriam garantir a segurança. 

Um membro do movimento pacifista com a bandeira No OTAN - Sputnik Brasil
‘Hitler nunca faria o que OTAN faz’
Enquanto isso, a funcionária europeia continua fazer discursos a favor da adesão de Kosovo à UNESCO, porque este passo “garantiria melhor a segurança da herança cristã.” 

A mesma responsável europeia opina que Belgrado deve retirar o mandado de prisão, que continua em vigor, contra Hasim Taci, o atual chanceler de Kosovo, e antes disso – o líder terrorista do Exército de Libertação do Kosovo, responsabilizado pela morte de centenas de cidadãos não albaneses no território da província.

Os especialistas opinam que as negociações durarão pelo menos cinco anos, mas têm dificuldades em indicar quando poderão terminar.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала