Rumores desmentidos: exército iraniano não se retira da Síria

© Sputnik / Mikhail Voskresenky / Abrir o banco de imagensDestacamento iraniano na Síria
Destacamento iraniano na Síria - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A agência norte-americana Bloomberg, citando as suas fontes, disse que o Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica está se retirando do território sírio por estar sofrendo grandes perdas. As perdas incluiriam, além de soldados, comandantes, nomeadamente generais.

In this file photo released on Tuesday, May 19, 2015 by the Syrian official news agency SANA, Syrian President Bashar Assad, right, meets with Ali Akbar Velayati, an adviser to Iran's Supreme Leader Ayatollah Ali Khamenei, in Damascus, Syria. - Sputnik Brasil
Conselheiro de Khamenei: 'O Irã tem a obrigação de ficar ao lado da Síria'
No entanto, a agência não referiu quaisquer provas, enquanto Teerã não comenta a situação.

Ao tentar entender a situação, a Sputnik falou com o correspondente do canal televisivo e emissora da rádio Voz da República Islâmica do Irã, Hassan Shemshadi, que está na Síria e tem ligações com o exército.

O jornalista logo desmentiu a informação:

“Tais provocações e informação errada têm aumentado ultimamente. Por exemplo, no ano passado tais rumores em relação aos militares iranianos apareceram em plena crise síria. O objetivo de tais publicações é dividir o exército sírio e as milícias, semear dúvidas e enfraquecer o seu prestígio, minar a resistência aos terroristas. O Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica não planeja retirar os seus conselheiros e soldados que apoiam o exército do governo no combate aos terroristas em todas as frentes”.

 O especialista destacou que, apesar das perdas durante o avanço na região de Aleppo, que resultou na liberação de 500 quilômetros quadrados, o exército não pretende retirar-se.

Além disso, o jornalista comentou a situação na linha de frente na Síria. Segundo ele, há dois meses as autoridades sírias solicitaram o aumento do número dos militares iranianos para conduzir uma operação antiterrorista de grande escala. O Irã deu uma resposta afirmativa. Desta forma, o número de militares iranianos que têm experiência de combate desde a guerra iraniano-iraquiana cresceu significativamente.  

Recep Tayyip Erdogan, presidente da Turquia - Sputnik Brasil
'Turquia fornece armas a grupos terroristas'
Ele destacou que os terroristas resistem já que são apoiados pelos seus patrocinadores e recebem armamentos e recrutas.

“Nas atuais condições, devemos estar prontos a sofrer perdas humanas por um objetivo maior – a vitória sobre os terroristas”, frisou o jornalista iraniano.

Cerca de sete mil iranianos combatem na Síria do lado de Bashar Assad. Todos os meses morrem cerca de dez militares. Dado o avanço realizado nos últimos meses, em outubro morreram 67 militares, entre eles cerca de dez generais.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала