Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

EUA adotam na Síria estratégia parecida com a usada no Vietnã

© AP Photo / Horst FaasHovering U.S. Army helicopters pour machine gun fire into the tree line to cover the advance of South Vietnamese ground troops in an attack on a Viet Cong camp 18 miles north of Tay Ninh, northwest of Saigon near the Cambodian border, in March 1965 during the Vietnam War
Hovering U.S. Army helicopters pour machine gun fire into the tree line to cover the advance of South Vietnamese ground troops in an attack on a Viet Cong camp 18 miles north of Tay Ninh, northwest of Saigon near the Cambodian border, in March 1965 during the Vietnam War - Sputnik Brasil
Nos siga no
Após várias semanas, o Pentágono finalmente admitiu que os "conselheiros" americanos na Síria estarão envolvidos em operações militares, mas os EUA continuam reticentes ao divulgar detalhes de sua estratégia na região.

Pentágono, sede do Departamento de Defesa dos EUA - Sputnik Brasil
Pentágono espera que os mísseis ar-ar russos não sejam usados contra a coalizão dos EUA
A escassez de informações pode ser intencional — uma tática que já foi usada por Washington no passado, na época do maior erro militar do país no Século XX.

Com seus planos de combater o Daesh — também conhecido como Estado Islâmico — despedaçados, o governo Obama anunciou planos de enviar à Síria até 50 "conselheiros" das Forças Especiais americanas. A medida, segundo o presidente, não significava uma mudança radical nos planos dos EUA de manter soldados fora da Síria. Afinal, o governo dizia, os "conselheiros" não estariam envolvidos em operações de combate.

Nesta terça-feira, porém, o secretário de Defesa, Ashton Carter, falou diante do Comitê de Serviços Armados da Câmara dos EUA e deu a entender o contrário.

An S-400 surface-to-air missile [SAM] system - Sputnik Brasil
Rússia recebe novos sistemas antiaéreos S-400
"Esses integrantes de operações especiais ao longo do tempo conduzirão operações, libertarão reféns, compilarão inteligência e capturarão líderes do Estado Islâmico", disse Carter. "Essa força estará em posição de conduzir operações unilaterais na Síria", completou o secretário.

Na segunda-feira, um oficial anônimo dentro do Departamento de Defesa também afirmou ao Defense News que o uso dessas Forças Especiais significa uma "quebra de lacre". Se houver sucesso, o Pentágono pode enviar ainda mais soldados à Síria, um país no qual os EUA não estão oficialmente em guerra.

Em novembro, o presidente Obama disse à ABC News que o Daesh estava contido. A declaração foi dada dias antes de o grupo terrorista executar uma série de atentados em Paris, no dia 13.

Radar of missile defense system of Moscow - Sputnik Brasil
Moscou impenetrável: mísseis balísticos não são ameaça à cidade
Os fatos, quando analisados em conjunto, parecem sugerir que o governo Obama pode estar planejando uma ofensiva muito maior e mais agressiva do que vem sugerindo. Tanto o senador John McCain quanto a senadora Lindsey Graham já pediram o envio de até 20 mil soldados para combater o Daesh.

Os detalhes, até agora, são poucos. O Departamento de Defesa não confirmou se as Forças Especiais já foram utilizadas nem informou um número específico de soldados que podem ser enviados ao Iraque e à Síria. Contudo, se precedentes são alguma indicação, a ambiguidade americana pode ser intencional por parte do Pentágono.

A mesma estratégia foi usada nos dias que antecederam a Guerra do Vietnã. O então presidente, Dwight D. Eisenhower, primeiro enviou 900 conselheiros ao Vietnã. O número aumentou para 16 mil durante o governo Kennedy, dois anos antes de a guerra começar oficialmente.

Essa escalada não tão gradual deu início a uma guerra que deixou cerca de 800 mil mortos — inclusive 60 mil soldados americanos.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала