Liberdade de imprensa na Turquia: 5 anos de prisão por criticar Erdogan

© AP Photo / Emrah GurelUm cartaz com uma imagem do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, apresentado em Istambul, Turquia
Um cartaz com uma imagem do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, apresentado em Istambul, Turquia - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um terceiro jornalista foi detido na Turquia, fazendo aumentar a preocupação pela introdução da censura no país.

Um jornalista do jornal Huriyet Ertugrul Ozkok foi preso sob a acusação de difamação após publicar um artigo que supostamente critica o atual presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, segundo informou a agência de notícias local DPA.

A rede alemã Deutsche Welle divulga que Ozkok ainda em setembro escreveu um artigo na qual não era sequer mencionado o nome do presidente, mas supostamente era criticado de forma indireta. Caso venha a ser declarado culpado, o jornalista pode ser condenado a cinco anos e quatro meses de prisão.

A informação veio apenas dois dias após outros dois jornalistas da oposição terem sido presos sob acusações de espionagem. A detenção causou uma viva reação na sociedade e centenas de pessoas saíram às ruas de Istambul.

Batalhão especial da polícia turca empurra uma jornalista para fora da sede do jornal Bugun e do canal de televisão Kanalturk, em 28 de outubro, dia de uma manifestação contra o governo em Istambul - Sputnik Brasil
EUA são preocupados com liberdade de expressão na Turquia
Can Dundar, o editor-chefe do jornal Cumhuriyet e Erdem Gul, chefe do escritório da mesma edição em Ancara, foram presos após publicação de um artigo que sugere que a agência de inteligência turca tem estado envolvida no fornecimento de armas a rebeldes sírios de origem turca – os chamados turcomanos que lutam contra o presidente legítimo sírio Bashar Assad.

O artigo em questão, publicado em maio passado, causou enorme polêmica em todo o país e resultou na promessa de Erdogan de fazer os jornalistas pagar um "preço alto" pela publicação, segundo informou na altura o jornal britânico Guardian.

Um destino mais trágico teve a jornalista do canal televisivo PressTV Serena Shim, que tentou investigar o envolvimento da Turquia na crise síria, em particular no fluxo de armas e militantes que combatem Assad. Serena Shim morreu em um misterioso acidente de carro em 2014.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала