Um dos maiores opositores do Kremlin reconhece: Putin foi "estrela do G20"

© REUTERS / Kayhan Ozer/PoolPresidente russo Vladimir Putin na cúpula G20 na Turquia
Presidente russo Vladimir Putin na cúpula G20 na Turquia - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um dos mais ferrenhos críticos do Kremlin, membro sênior do Conselho do Atlântico dos EUA Anders Aslund, referido por alguns pesquisadores como "arquiteto do capitalismo selvagem" na Rússia, surpreendeu a todos ao chamar o presidente da Rússia Vladimir Putin de "estrela do G20".

Passada a reunião de cúpula do grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo, Aslund declarou que o presidente russo não somente deu um passo inteligente ao propor a reestruturação da dívida ucraniana, como se tornou a "estrela" do encontro ao deslocar sabiamente o foco de interesse do Ocidente da Ucrânia para a Síria.

Presidente russo Vladimir Putin participa da cúpula do G20 na Turquia, 15 de novembro de 2015 - Sputnik Brasil
Putin: Estado Islâmico é financiado por 40 países inclusive membros do G20
A opinião foi expressa por Aslund no artigo "Putin se transformou de teimoso solitário em estrela do G20".

No entanto, apesar de reconhecer a genialidade da proposta de Kremlin em reestruturar a dívida ucraniana, Aslund acredita que a mesma seja "inaceitável", já que, uma vez aceita por Kiev, colocaria a Rússia numa posição vantajosa com relação aos demais credores do país, que optaram pela amortização de 20% da dívida. Nesse sentido, ele destaca que a Rússia ainda exige garantias por parte de seus parceiros europeus e norte-americanos.

Na opinião do economista, a oferta de Putin foi "muito inteligente", já que através dela ele conseguiu alterar a sua política de "teimoso que evita negociações" para uma política de abertura ao diálogo, "tornando-se novamente uma estrela na reunião do G20".

Líderes posam para foto de grupo durante a cúpula do G20, em Brisbane, Austrália, em 15 de novembro de 2014 - Sputnik Brasil
Líderes do G20 expressam necessidade de solidariedade na luta contra o terrorismo
Além disso, segundo a lógica do autor, a proposta tem chances de ser aprovada, já que "após o EI ter provocado sua matança em Paris, uma série de potências do Ocidente querem lutar junto com a Rússia contra a organização terrorista, ignorando todo o resto na sua política externa".

Aslund é especializado em pesquisas na área de política e economia da Rússia, é professor adjunto na Universidade de Georgetown e estuda as economias da Rússia, Ucrânia e Europa Oriental. Entre 1984-1987 ele trabalhou na Embaixada da Suécia em Moscou e em 1989 publicou o livro "Luta de Gorbachev por reformas de mercado". Além disso, Aslund é membro da Academia Russa de Ciências Naturais, professor honorário da Universidade Nacional do Quirguistão, co-presidente do conselho de curadores da Escola de Economia de Kiev e diretor do conselho consultivo do Centro de Pesquisas Sociais e Econômicas de Varsóvia.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала