Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Europa: produtos dos territórios ocupados não são ‘feitos em Israel’

© AP Photo / Bernat ArmangueBandeira israelense perto de assentamentos judaicos na Cisjordânia
Bandeira israelense perto de assentamentos judaicos na Cisjordânia - Sputnik Brasil
Nos siga no
Israel condenou a decisão das autoridades europeias de introduzir uma marcação especial dos produtos israelenses que são produzidos em territórios ocupados, chamando a diretiva da Comissão Europeia de discriminação, demonstração de padrões duplos e um obstáculo ao processo pacífico no Oriente Médio.

In this July 29, 2014 photo, smoke and fire from an Israeli strike rise over Gaza City. A fierce debate is raging within Israel's military over the extent to which soldiers should be held legally accountable for their actions during last year's Gaza war, with commanders increasingly at odds with military lawyers. - Sputnik Brasil
Israel realiza ataques aéreos contra Gaza após lançamento de foguetes por Hamas
A decisão, que entrará em vigor depois de 11 ou 12 de Novembro, proíbe os países da União Europeia de indicar os produtos fabricados em povoações da Cisjordânia, Colinas de Golã e em Jerusalém Oriental como “feitos em Israel”.

“Israel condena a decisão da União Europeia de marcar a produção israelense feita em regiões que estão sob o controle de Israel desde 1967. Lamentamos que a UE tenha decidido recorrer a esta medida excepcional e discriminatória inspirada pelo movimento de boicote por razões políticas, enquanto Israel se opõe a uma onda de terrorismo voltada contra todos os seus cidadãos e contra cada um deles”, diz-se no comunicado do Ministério das Relações Exteriores de Israel.

Na quarta-feira (11), o vice-presidente da Comissão Europeia para assuntos de euro e diálogo social, Valdis Dombrovskis, disse aos jornalistas que a UE não apoia “um boicote sob qualquer forma ou sanções contra Israel”.

“É um assunto técnico e não político”, afirmou Dombrovskis.

Todavia, a chancelaria israelense não está satisfeita com as declarações oficiais da UE.

“Deixa-nos perplexos ou mesmo irritados o fato de a UE ter decidido recorrer a padrões duplos especialmente em relação de Israel, ignorando mais de 200 disputas territoriais em todo o mundo, incluindo as que se continuam junto das fronteiras da União Europeia ou mesmo dentro dela. As afirmações que a medida tem um caráter técnico são cínicas e infundadas”, destaca-se no comunicado da chancelaria israelense.

Jewish worshippers draped in prayer shawls perform the annual Cohanim prayer (priest's blessing) during Sukkot, or the feast of the Tabernacles, holiday at the Western Wall in the old city of Jerusalem on September 30, 2015 - Sputnik Brasil
Palestinos podem receber direitos sobre Muro das Lamentações através da UNESCO
O desenvolvimento de uma rede de assentamentos judaicos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, onde moram de cerca de 500 mil israelenses, é considerado o fator principal de tensões nas relações entre Israel e a comunidade internacional e o principal obstáculo para reiniciar o processo pacífico com os palestinos.

Segundo a AFP, as autoridades palestinas saudaram este passo da Comissão Europeia, mas chamou-o de “insuficiente”.

Há que lembrar que, em abril, chanceleres de 16 países da UE enviaram uma carta à chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, apelando a acelerar o processo de marcação dos produtos de territórios ocupados. Em setembro, o Parlamento Europeu adotou uma resolução em apoio desta iniciativa.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала