Síria: guerra midiática contra a Rússia continua

© Sputnik / Andrei Stenin / Abrir o banco de imagensSituação na Síria
Situação na Síria - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
As declarações de entidades oficiais dos EUA e da França sobre a ameaça que alegadamente os ataques da Força Aérea russa na Síria representam são parte da campanha midiática contra o país, declarou a representante da chancelaria da Rússia.

As declarações foram feitas pela representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, nesta terça-feira, 27, ao canal de TV russo Rossiya 24.

Secretário de Estado dos EUA John Kerry e ministro das Relações Exteriores da Rússia Sergei Lavrov - Sputnik Brasil
Kerry e Lavrov falam sobre reunião multilateral sobre a Síria
Zakharova recordou as declarações do ministro da Defesa francês, Jean-Yves Le Drian, sobre o fato de alegadamente Moscou realizar ataques aéreos na Síria não contra posições do Estado Islâmico, mas contra outros grupos.

“Acontece que foi endereçado exatamente a essa pessoa [Le Drian] o pedido do lado russo para indicar os locais nos quais, na opinião ocidental, se encontram os membros do Estado Islâmico que devem ser bombardeados. Nós não recebermos resposta a esta questão. Mas regularmente, durante coletivas e por via da mídia, ouvimos dizer que fizemos algo errado.”

Vladimir Putin e Mohammad bin Salman - Sputnik Brasil
Putin discute crise síria com rei da Arábia Saudita
A representante oficial comentou ainda as declarações do ex-premiê da Grã-Bretanha Tony Blair sobre a influência das ações da coalizão internacional no Iraque em 2003 no surgimento do grupo terrorista Estado Islâmico. Segundo Zakharova, as suas palavras são uma medida forçada e não a voz da consciência.

“Pelo que compreendo, as declarações foram feitas após a publicação de matérias por uma série de sites, que não deixaram dúvidas sobre o papel que o governo britânico desempenhou no momento de tomada de decisões sobre o Iraque, governo que na época incluía o senhor Blair. Por isso, acho que as discussões e o fato que “os esqueletos terem sido tirados do armário” são uma medida forçada e não a voz da consciência, não um desejo de analisar realmente a situação atual.”

Além disso, segundo sublinhou Zakharova, Moscou não interrompeu o trabalho de criação de condições para o começo de diálogo entre o governo sírio e a oposição, mesmo que forças externas nada façam para ajudar o processo.

“Tudo são elementos da mesma campanha midiática: submarinos que cortarão cabos em caso de qualquer ameaça, o fato de atingirmos alvos errados, matarmos civis etc.”

Segundo Maria Zakharova declarou mais cedo, a Rússia enfrentou uma agressão informática sem precedentes após o início da operação que iniciou em 30 de setembro, por enviar um regimento da sua Força Aérea para a Síria, respondendo ao pedido de Damasco de ajuda russa no combate aos terroristas do Estado Islâmico. O envio, proposto pelo presidente russo, Vladimir Putin, foi aprovado pelo Conselho da Federação (câmara alta do parlamento russo).

Durante a sua ação na Síria, a aviação russa já destruiu várias bases, centros de comando e campos de treinamento do Estado Islâmico.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала