Pentágono se desculpa por mais um 'erro'

© AFP 2022 / NASIR WAQIFMilitares afegãos e representantes da organização Médicos sem Fronteiras
Militares afegãos e representantes da organização Médicos sem Fronteiras - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Departamento de Defesa dos EUA se desculpou por mais uma intervenção contra o hospital dos Médicos sem Fronteiras em Kunduz, no Afeganistão.

No dia 15 de outubro, uma semana depois de ter bombardeado o hospital, militares estadunidenses derrubaram com um caminhão o portão do hospital para aceder ao território do estabelecimento médico.

Jeff Davis, representante do Departamento de Defesa dos EUA, se desculpou, alegando que foi "um engano".

Segundo Davis, os militares pensaram que não havia ninguém dentro e queriam "testar a resistência da estrutura" do prédio, quase destruído pelo ataque aéreo de 3 de outubro.

Hospital da ONG Médicos Sem Fronteiras, em Kunduz, no Afeganistão, após o ataque aéreo dos EUA. - Sputnik Brasil
EUA sabiam que alvo de ataque em Kunduz era hospital
O representante do Pentágono disse ainda que os EUA irão compensar os prejuízos.

No entanto, o pessoal do hospital diz que a entrada violenta do caminhão pode ter prejudicado as provas materiais do bombardeio estaduindense.

Em 3 de outubro, o hospital de Kunduz, da organização internacional Médicos sem Fronteiras, foi bombardeado pela aviação estadunidense. O ataque interrompeu inclusive uma operação cirúrgica, cujo paciente não conseguiu sobreviver. O general John Campbell, líder da operação dos EUA no Afeganistão, reconheceu o "erro" dos militares sob seu comando em 6 de outubro, alegando que eles pensavam que membros do grupo terrorista Talibã podiam estar se escondendo lá.

Entre as 200 pessoas que estavam no hospital no momento do ataque, 24 morreram.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала