Diplomatas russos ironizam no Twitter a atuação dos EUA na Síria

© AP Photo / Public DomainMilitantes do EI marchando na Síria
Militantes do EI marchando na Síria - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A mídia ocidental parece estar mesmo um pouco chateada com os sucessos da campanha russa contra o Estado Islâmico na Síria. Hoje (6), o jornal britânico The Independent se queixou de que os diplomatas russos "desacreditam os esforços dos EUA e de seus aliados” que, segundo a publicação, “armaram forças antigovernamentais não-extremistas no país".

Representante oficial da chancelaria russa, Maria Zakharova, em briefing de 6 de outubro de 2015 - Sputnik Brasil
Chancelaria denuncia campanha antirussa na mídia ocidental
A reclamação expressa pelo jornal britânico foi suscitada por uma charge postada na segunda-feira (5) no Twitter da Embaixada da Rússia nos Emirados Árabes Unidos. O tweet em questão convidava os internautas a "armar o grupo rebelde sírio correto", cortando o desenho pontilhado de um lançador de granadas para colá-lo nas mãos de um dos sete militantes islâmicos representados na figura – e que eram exatamente iguais, apesar das legendas diferentes que indicavam nomes como "Frente al-Nusra", "Frente Islâmica" e "Ansar Al-Deen". 

Sírios com as fotos do presidente sírio Bashar Assad e primeiro-ministro russo Vladimir Putin em Damasco - Sputnik Brasil
Rússia não tem ilusões sobre Assad, mas insiste em sua legitimidade
A mensagem da embaixada russa foi claramente irônica em relação às alegações de Washington de que seria possível resolver o conflito na Síria armando grupos rebeldes supostamente moderados. Na visão de Moscou, trata-se de uma estratégia fadada ao fracasso, na medida em que se baseia em distinções artificiais, que ignoram o estado real das intenções e ânimos igualmente extremados entre os diversos grupos que lutam contra o presidente sírio Bashar Assad, incitando o clima de violência no país.

A imagem que incomodou o jornal britânico, no entanto, apareceu pela primeira vez em setembro de 2014, na página de um grupo do Facebook autodenominado “Bloody Military Contractors”, dedicado a denúncias sobre crimes de guerras e crimes contra a humanidade praticados pelos EUA. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала