Chancelaria denuncia campanha antirussa na mídia ocidental

© Sputnik / Anton Denisov / Abrir o banco de imagensRepresentante oficial da chancelaria russa, Maria Zakharova, em briefing de 6 de outubro de 2015
Representante oficial da chancelaria russa, Maria Zakharova, em briefing de 6 de outubro de 2015 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A representante oficial do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zakharova, disse no briefing desta terça-feira (6) denuncia lapsos e omissões na mídia ocidental.

Especialmente quando se trata de assuntos da Síria e da ajuda militar que a Rússia está prestando a Damasco no combate ao grupo terrorista Estado Islâmico.

Maria Zakharova citou vários exemplos de reportagens e matérias divulgadas na mídia ocidental que evitam indicar as fontes das quais as informações foram originalmente obtidas.

"Se nós falamos do jornalismo de verdade, e não de um jornalismo que serve aos interesses e alguém, — como podem esses profissionais usar, no seu discurso jornalísticos, palavras como 'existe a opinião'? <…> Qual é essa opinião? Indique-la, indique a fonte!", ressaltou.

Além disso, Zakharova apelou os jornalistas e os representantes das autoridades de vários países a verificar a informação que recebem.

"Recentemente, a Rússia e os EUA restabeleceram contatos diretos", lembrou, exortando lançar mão deste meio de comunicação direta para evitar a divulgação de informações erradas. "Basta levantar o telefone e ligar", ressaltou.

Comentando a situação em geral, a representante oficial da chancelaria lembrou que após o atentado terrorista de 11 de setembro de 2001, a Rússia expressou as suas condolências e disponibilizou-se a prestar apoio aos EUA, inclusive no Conselho de Segurança da ONU. Agora, os EUA "parecem ter esquecido" isso, almenta Zakharova.

"É lamentável que tenhamos uma memória tão curta", disse a representante oficial.

Maria Zakharova lembrou também que os parceiros da Rússia na ONU têm repetido "uma frase estranha". Eis a frase: "A percepção é mais importante do que a realidade". E a "realidade é o nosso combate ao Estado Islâmico", frisou.

Pessoal técnico militar russo faz manutenção de aviões Su-24 no aeroporto Hmeimim, na Síria - Sputnik Brasil
Veja vídeo da decolagem de avião russo na Síria
Operação terrestre que não há

Respondendo a uma pergunta de uma jornalista russa sobre a eventual operação terrestre (além de aérea), Maria Zakharova frisou que não se trata de modo nenhum de outra espécie de ajuda russa à Síria, além da operação aérea solicitada pelas autoridades de Damasco.

Diferença entre ocidente e Rússia

Outra pergunta foi sobre a diferença entre as campanhas aéreas da coalizão ocidental e a russa.

Maria Zakharova ressaltou que a diferença principal está precisamente nisso: que os golpes aéreos por si só não são suficientes, porque o apoio terrestre é necessário. E apoio terrestre é realizado exatamente pelo exército sírio, que tenta combater o Estado Islâmico. No entanto, os EUA, que lideram a coalizão internacional, tem se recusado a admitir a participação das forças leais ao presidente sírio, Bashar Assad, tão como de outros atores locais e internacionais.

As ações do exército sírio podem ser insuficientes também, mas é porque não houve cooperação e coordenação dos esforços entre forças aéreas e terrestres.

Voluntários

Comentando os rumores sobre a eventual inscrição de voluntários para a campanha russa na Síria, Zakharova frisou de novo que a Rússia só está realizando uma operação aérea na Síria para ajudar as forças terrestres, leais ao presidente Assad. Mas não se trata de nenhuma operação terrestre russa.

Terminando o encontro com jornalistas, a representante oficial da chancelaria russa destacou que não se trata de que Bashar Assad seja um "anjo" para a Síria. Mas escolhendo entre manter um presidente não ideal no poder e derrubar o terrorismo, a melhor opção talvez seja exatamente a segunda, advertiu Maria Zakharova.

Em 30 de setembro, a Rússia enviou um regimento da sua Força Aérea para a Síria, respondendo ao pedido correspondente de Damasco, que solicitou ajuda russa no combate aos terroristas do Estado Islâmico. O envio, proposto pelo presidente russo, Vladimir Putin, foi aprovado pelo Conselo da Federação (câmara alta doparlamento russo).

Durante a sua presença na Síria, a aviação russa já destruíu várias bases, centros de comando e campos de treinamento do Estado Islâmico.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала