Ativista afegão: oficiais americanos não respeitam legislação do nosso país

© REUTERS / StringerGuarda afegão ocupa a posição perto do portão do hospital dos Médicos Sem Fronteiras depois do ataque aéreo na cidade de Kunduz, Afeganistão
Guarda afegão ocupa a posição perto do portão do hospital dos Médicos Sem Fronteiras depois do ataque aéreo na cidade de Kunduz, Afeganistão - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O chefe da organização social União dos Juristas Democratas do Afeganistão, Kabir Ranjbar, comentou à Sputnik o ataque aéreo contra o hospital dos Médicos Sem Fronteiras (MSF) na cidade de Kunduz.

Sede da ONU em Nova York - Sputnik Brasil
ONU: ataque contra hospital afegão pode ser considerado crime de guerra
Na sua opinião, o acontecimento pode ser considerado um crime de guerra. O povo afegão ainda está em choque e não percebe por que razão o ataque foi realizado contra uma instalação médica sem proteção. 

“O comando da OTAN sabia que aqui se localiza um hospital onde, entre outras coisas, prestam ajuda aos feridos em resultado de ações militares. Assim, observamos a violação de jus in bello. Não é humano e contradiz o direito internacional”, disse Ranjbar. 

O chefe da organização social expressou a sua esperança de que o Afeganistão realize uma investigação imparcial, mas ainda não é claro quando isso acontecerá e se a investigação terá um caráter internacional.

“É difícil estar seguro de que em resultado de investigação, se for realizada, serão condenados todos os culpados. É que a nossa legislação afegã literalmente fica atada de pés e mãos quanto a tomar decisões independentes”, sublinhou Ranjbar. 

Médicos da MSF trabalham no hospital depois de ataque aéreo na cidade de Kunduz, Afeganistão - Sputnik Brasil
Testemunhas: bombardeio de hospital afegão não foi um acidente
O ativista afegão afirmou que os oficiais norte-americanos em atividade no território do Afeganistão respeitam a legislação norte-americana, mas não afegã. A maioria dos processos judiciais em relação a eles terminam em sentença absolutória, e o resto dos julgamentos são por alguma razão realizados no território dos EUA. Kabir Ranjbar frisou que assim os interesses dos cidadãos afegãos ficam sem proteção. 

Um dos médicos do hospital dos MSF que quis manter o anonimato teve um dia de folga no sábado. Em entrevista à Sputnik disse que todos os médicos do hospital foram mortos em resultado do ataque. Todos eles são cidadãos afegãos. Segundo ele, todos os médicos estrangeiros, por uma qualquer razão, saíram do hospital nas vésperas do ataque. 

O médico entrevistado destacou que nos últimos dias o hospital acolheu e internou feridos em resultado das ações militares. A maioria dos feridos era talibãs porque a política da organização é assim que trabalha, “sem fronteiras” e preferências políticas. Os médicos do hospital tratam todos que precisam de ajuda médica. A despeito de informações na mídia, os talibãs não prenderam nenhum dos membros do pessoal do hospital dos MSF.

No sábado, um ataque aéreo dos EUA contra o hospital dos MSF em Kunduz matou 12 membros da organização e 10 pacientes, além de ferir outras 40 pessoas. No momento do bombardeio, que durou quase uma hora, estavam no local mais de 105 pacientes e 80 médicos.

Hospital da ONG Médicos Sem Fronteira, em Kunduz, no Afeganistão, após o ataque aéreo dos EUA. - Sputnik Brasil
Rússia condena ataque aéreo dos EUA a hospital no Afeganistão
Na segunda-feira (5), a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores russo condenou o ataque realizado pelas forças norte-americanas dizendo que é uma “grave violação do direito internacional”.

Kunduz, uma cidade de 300 mil pessoas no norte do Afeganistão, foi recapturada pelas forças governamentais afegãs na quinta-feira (30). A cidade havia sido cercada pelos militantes do Talibã em maio.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала