Ataques aéreos são "inúteis" sem cooperação com o exército da Síria

© AP Photo / Senior Airman Matthew Bruch, US Air ForceAtaques aéreos contra o Estado Islâmico
Ataques aéreos contra o Estado Islâmico - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O ministro de Relações Exteriores da Síria, Walid Moallem, parabenizou a recente intervenção militar da Rússia no país, afirmando que foi solicitada por Moscou e coordenada com o governo em Damasco.

Pessoal técnico militar russo faz manutenção de aviões Su-24 no aeroporto Hmeimim, na Síria - Sputnik Brasil
Aviação russa destrói novos alvos do EI na Síria
"Os ataques aéreos são inúteis, a não ser se feitos em cooperação com o exército da Síria", disse Moallem na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), nesta sexta-feira.

Moallem rejeitou a ideia de que as negociações levarão à deposição de Bashar Assad, presidente da Síria, mas ao mesmo tempo indicou a vontade do país em participar das conversas na ONU para chegar a uma solução política. 

"Ninguém deve pensar que, depois de todos esses sacrifícios por mais de quatro anos, que eles podem conseguir através da política o que não conseguiram no campo de batalha", declarou Moallem. 

O enviado da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, propôs a formação de quatro grupos de trabalho, com todas as partes envolvidas no conflito sírio representadas, com o objetivo de focar em questões como a proteção de civis e o combate ao terrorismo e temas políticos, como uma maneira de iniciar as negociações. 

Rússia realiza golpes aéreos contra posições do Estado Islâmico na Síria - Sputnik Brasil
Opinião: Ocidente tem que apoiar a Rússia no enfrentamento ao Estado Islâmico na Síria
O ministro sírio sugeriu que o país está pronto para fazer parte dessas negociações e ser incluído na terceira rodada de conversas em Genebra. Entretanto, ele reiterou que o destino da Síria deve ser decidido pelo seu próprio povo. 

"O único caminho para uma solução política é através de um diálogo nacional liderado pela Síria, sem qualquer interferência internacional", declarou. 

Moallem também criticou os estados árabes sunitas, citando a Arábia Saudita e o Qatar principalmente, por investirem em um exército de militantes sunitas, acusando-os de " lutar para derramar sangue sírio". 

Ele ainda declarou que o mundo falhou em proteger o povo sírio ao permanecer calado sobre países que patrocinam forças anti-Assad.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала