Presente e futuro para discutir e lições de história: Moscou sedia fórum parlamentar

© Sputnik / Yury Artamonov / Abrir o banco de imagensState History Museum and Moscow Kremlin
State History Museum and Moscow Kremlin - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Nesta quinta-feira, 1 de outubro, na capital russa, Moscou, é realizado o IV Fórum Parlamentar Internacional, sob o tema “O papel dos Parlamentos na Garantia da Segurança Internacional nas Condições Atuais”.

Apesar da situação atual e de medidas restritivas aplicadas contra vários parlamentares russos, os seus colegas europeus admitem a necessidade de cooperação para combater o terrorismo e resolver um vasto leque das questões, inclusive a crise migratória, a crise na Síria e outros.

© Sputnik / Vladimir KultyginIV Fórum Parlamentar Internacional, sob o tema “O papel dos Parlamentos na Garantia da Segurança Internacional nas Condições Atuais”
IV Fórum Parlamentar Internacional, sob o tema “O papel dos Parlamentos na Garantia da Segurança Internacional nas Condições Atuais” - Sputnik Brasil
IV Fórum Parlamentar Internacional, sob o tema “O papel dos Parlamentos na Garantia da Segurança Internacional nas Condições Atuais”
O Fórum foi aberto pelo presidente da Duma de Estado (câmara baixa do parlamento russo) Sergei Naryshkin. Durante o seu discurso Sergei Naryshkin propôs reorganizar o fórum anual em organização internacional. O político russo argumentou a sua proposta pela correlação injusta: a existência de cerca de 300 assembleias e organizações parlamentares (mesmo que a maioria deles sejam regionais) e a ausência de uma organização parlamentar no âmbito da ONU.

O político finlandês, ex-chanceler e presidente da Assembleia Parlamentar da OSCE, Ilkka Kanerva, classificou a iniciativa de Naryshkin como construtiva.

Porém, o parlamentar finlandês criticou, no seu discurso, a adesão da Crimeia à Rússia, em março de 2014. Kanerva chamou o processo de “anexação ilegal” no início da sua intervenção. Porém, quando passou a palavra a Naryshkin, este corrigiu: “A Crimeia foi anexada em 1991, e em 2014, ela foi libertada”.

O parlamentar russo convidou o seu colega europeu a visitar a península russa.

Convite para o Parlamento Europeu

Praça Vermelha em Moscou - Sputnik Brasil
Deputados do Parlamento Europeu vão a Moscou para incentivar diálogo com a Rússia
Por sua parte, a eurodeputada francesa Nadine Morano, fundadora do grupo de trabalho do Parlamento Europeu "Por um Novo Diálogo com a Rússia", convidou, no final do seu discurso, o presidente russo, Vladimir Putin, a intervir perante o Parlamento Europeu. “Seria interessante ouvir os seus argumentos”, frisou.

Durante o seu discurso, ela declarou também que quaisquer resoluções contra a Rússia são inaceitáveis para ela como representante do povo francês.

“Eu quero estabelecer um diálogo com um país que eu avalio como nosso aliado histórico”, ressaltou Morano, retificando que se trataria de um “diálogo consultivo e verdadeiro”.

Já o presidente da associação francesa Diálogo Franco-Russo, Thierry Mariani, explicou que os deputados russos não podem ir à França a convite de Morano para intervir perante o Parlamento Europeu. A causa é simples: estão sujeitos às sanções. Nas suas declarações, ele afirmou que é necessário começar o diálogo para levantar as sanções porque ninguém beneficia com elas.

Refugiados

Os refugiados e o conflito no Oriente Médio também foram um tema importante da reunião. Em particular, os palestrantes da Coreia do Sul, Zimbábue e Sudão, além do especialista suíço Patrick Taran e o deputado brasileiro Nilson Leitão, tocaram neste assunto.

Rússia realiza golpes aéreos contra posições do Estado Islâmico na Síria - Sputnik Brasil
Putin: Dados sobre vítimas civis na Síria começaram a surgir antes dos ataques russos
Vários dos participantes reconheceram o papel da Rússia na resolução da crise síria, com a entrada, ontem, da Força Aeroespacial russa no combate contra o Estado Islâmico (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países).

A crise síria é um dos assuntos mais importantes da agenda mundial nestes dias e não podia deixar de estar presente no fórum parlamentar. Entre outras declarações, a do ex-primeiro-ministro da Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero, foi talvez a mais brilhante:

“Não é preciso discutir o futuro da Síria, mas sim o presente, porque se o presente não for protegido, não haverá futuro para discutir”.

Na quarta-feira, 30 de setembro, a câmara alta do parlamento russo autorizou o envio da Força Aeroespacial russa à Síria, em resposta ao pedido oficial de Damasco. A coalizão liderada pelos EUA, que tem assestado golpes aéreos contra as posições do Estado Islâmico há cerca de um ano, não teve nem autorização do governo sírio, nem admitia que as autoridades sírias participassem desses combates.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала