Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Reforma tornará Conselho de Segurança da ONU mais legítimo para evitar a guerra

© REUTERS / Andrew KellyDilma Rousseff, em sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova Iorque
Dilma Rousseff, em sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova Iorque - Sputnik Brasil
Nos siga no
A presidenta do Brasil disse que o encontro deste sábado é significativo por marcar os dez anos da declaração de reforma do Conselho de Segurança da entidade feita pelas nações que integram o G4 – Brasil, Índia, Alemanha e Japão.

“Acho que essa reunião da ONU tem um significado todo especial. Primeiro porque a agenda 2030 é uma conquista para o mundo. Essa reunião é um símbolo político da importância de reformar o Conselho, para que ele seja mais eficaz, mais legítimo e, sobretudo, que a gente tente evitar a guerra, que é sem sombra de dúvida o pior dos males”.

John Kerry e Sergei Lavrov em Vienna em 30 de junho, 2015 - Sputnik Brasil
Negociações entre Lavrov e Kerry: há vontade de trabalhar juntos
Ainda sobre a legitimidade do órgão, Dilma Rousseff apontou que em 1945 havia 51 Estados integrando a Assembleia-Geral das Nações Unidas – e o Conselho de Segurança tinha 11 membros. Portanto, 22% do colegiado.“Hoje, são 193 Estados e um Conselho de Segurança composto de 15 membros, uma queda bastante significativa no percentual de representação do Conselho vis-à-vis à Assembleia-Geral”.

A realidade internacional também passou por profundas mudanças, lembrou.“Acredito que a adoção, neste ano, da agenda 2030, vai permitir que se dê passos concretos pelas via das negociações, para que nós encontremos soluções para um problema bastante relevante, que é a questão da mudança do clima. [Mas], quando se trata da paz e da segurança coletiva, que hoje estão ameaçadas, esses resultados não foram muito avançados. Por isso, a reforma do Conselho da Segurança da ONU permanece como a principal questão pendente na agenda da ONU”.

E enfatizou:“Precisamos de um Conselho renovado, que reflita adequadamente a nova correlação de forças mundial muito distinta daquela de 1945. Precisamos de um Conselho de Segurança representativo, legítimo e eficaz. Reafirmo o firme compromisso do Brasil com o G4, com o nosso objetivo comum de fortalecer o sistema multilateral de paz e segurança”, disse.

Fonte:Blog do Planalto

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала