Espanha ‘aplicou golpe baixo’ na OTAN

© AFP 2022 / MAXIM AVDEYEVBandeira da OTAN é queimada durante protestos na Rússia
Bandeira da OTAN é queimada durante protestos na Rússia - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Políticos britânicos estão indignados com a decisão da Espanha de deixar ao submarino russo Novorossisk entrar no porto de Ceuta, situado na costa de Marrocos, para se reabastecer de combustível, comunica The Independent.

As forças militares da OTAN - Sputnik Brasil
OTAN se prepara para guerras do passado
Deputados britânicos e peritos militares condenaram o governo espanhol pela “provocação evidente” contra Gibraltar, território britânico ultramarino localizado no extremo sul da Península Ibérica. A Espanha continua reivindicando a posse de Gibraltar. Segundo os deputados, a Espanha autorizou a entrada do navio russo para intimidar a população do enclave britânico. 

Segundo Konstantin Sivkov, doutor em ciências militares e presidente da União de Analistas Geopolíticos, as ações da tripulação do submarino não contradizem o direito internacional.

O especialista considera que a afirmação de Londres é somente uma manobra diplomática do Ministério das Relações Exteriores:

“O principal é outra coisa, é o ‘golpe baixo’ na OTAN. Porque a Espanha é membro da OTAN, o país foi um dos primeiros a autorizar bases dos navios norte-americanos de defesa antimíssil. E de repente a Espanha – membro fiel da OTAN, que representa a OTAN como uma potência marítima (tem costa no Atlântico e é responsável pela defesa antissubmarino da aliança) – acolhe um submarino contra o qual, em princípio, deve lutar”.

 De acordo com Konstantin Sivkov, a Espanha, embora seja membro da aliança, está preparada para cooperar com a Rússia:

“Isto mostra que o governo espanhol está começando a se reorientar cuidadosamente das posições da OTAN para outras, digamos, mais alargadas. E está pronta para cooperar com a Rússia mesmo em contradição com os interesses da OTAN. Isto provocou o pânico nas autoridades da OTAN e nas elites políticas da Grã Bretanha”.

Policiais e seguranças afegãos após a explosão que atingiu o aeroporto internacional de Cabul em 10 de agosto - Sputnik Brasil
“E agora, o que é que a OTAN pode fazer?”
Além disso, o analista afirma que a influência da OTAN sobre a Europa está cada vez mais enfraquecida:

“Tudo aponta para que a OTAN, como organização unida rígida controlada pelas elites anglo-saxónicas, que controla totalmente a Europa, começa a se tornar uma estrutura inconsistente. Se os espanhóis acolhem os nossos submarinos em contradição com a opinião dos dirigentes da OTAN, isso significa que, caso surja um conflito, os espanhóis podem se recusar a participar dele, podem fazer algumas demarches que serão inaceitáveis para a OTAN. Este é, pois, um sinal muito desagradável para a OTAN. Por isso eles estão incomodados. Eles têm medo de perder a Espanha”, conclui o especialista militar.

Assim, parece que, ao invés de realizar os maiores exercícios desde a Guerra Fria, treinando um cenário de guerra híbrida contra a Rússia, seria melhor treinar a disciplina interna porque o aparecimento de aliados "desobedientes" é bem mais provável do que um conflito com a Rússia, que não tem interesse em territórios estrangeiros.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала