Protestos organizados pela oposição argentina viram desordens

© AFP 2022 / Walter MonterosProtestos em Tucumã em 25 de agosto
Protestos em Tucumã em 25 de agosto - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Apesar das manifestações realizadas na província argentina de Tucumã (norte do país), o candidato do partido governista Frente para la Victoria, Juan Manzur, conseguiu ser eleito para o cargo de governador.

As ações de protesto convocadas pelas forças oposicionistas, especialmente ativas nesta província (Tucumã é a região tradicionalmente com mais opositores ao governo) desembocaram em atos de violência, com urnas eleitorais incendiadas e desordens.

Foto oficial dos participantes Cúpula do Mercosul - Sputnik Brasil
Governos sul-americanos se solidarizam com Dilma contra o impeachment
A derrota dos líderes da oposição foi motivo para eles chamarem o povo a participar em ações de protesto. Milhares de pessoas foram às ruas. Como resultado, as manifestações de protesto transformaram-se em confrontos com a polícia, um grupo de manifestantes tentou invadir o Palácio do Governo, outro grupo agressivo apedrejou policiais que, em resposta, usaram gás lacrimogêneo e balas de borracha.

Na véspera dos protestos, os líderes da oposição, inclusive o presidenciável Mauricio Macri, declararam que os resultados das eleições regionais em Tucumã seriam falsificados, lembra a Prensa Latina.

O candidato da oposição, José Cano, chamou o sistema eleitoral na província de “pervertido”, divulga o jornal La Nacion.

A próxima, e última, província a realizar eleições regionais é Chaco (em 20 de setembro) e, depois disso, o país terá eleições presidenciais em 25 de outubro.

A lei vigente não permite que a presidente atual, Cristina Fernández de Kirchner, apresente a sua candidatura neste pleito. Contudo, o seu partido e a base de apoio permanecem fortes e tem a aprovação de uma parte considerável da população.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала