John Kerry abrirá embaixada em Havana sem encontrar-se com Castro

© AFP 2022 / BRENDAN SMIALOWSKIJohn Kerry em agosto de 2015
John Kerry em agosto de 2015 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O secretário de Estado dos EUA inaugurará embaixada em Havana sem reunir-se com as autoridades cubanas.

Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama - Sputnik Brasil
Para cumprir sua promessa com Cuba, Obama deveria mudar legislação
Amanhã será um dia histórico. Pela primeira vez em 55 anos, um secretário de Estado dos EUA visitará Cuba, restaurando formalmente as relações diplomáticas e elevando o status da Seção dos Interesses dos EUA em Havana a Embaixada dos EUA em Havana. O que fará é içar a bandeira.

A história é diplomaticamente complicada. Em meados de julho, foi inaugurada a embaixada cubana em Washington, com pompa, banquete, altos cargos de ambos os países e jornalistas. Naquele mesmo dia, foi formalmente reestabelecida a embaixada estadunidense em Havana. Já o evento de 14 de agosto, que contará com uma delegação de 19 pessoas do lado norte-americano, terá a cerimônia da bandeira, uma reunião formal com o chanceler cubano, Bruno Rodríguez, e um encontro com a oposição cubana.

“No que toca a Raúl ou Fidel, o Secretário [John Kerry] não tem nenhum plano de encontrar-se com eles durante a sua estadia lá. Atualmente, ele definitivamente não planeja falar com Fidel ou de ver o presidente Castro no momento”, disse um representante do Departamento de Estado.

Contudo, esta mesma fonte confirmou que Kery “planeja ter uma reunião com o Ministro das Relações Exteriores [Bruno] Rodríguez”.

Comentando o mesmo assunto em outra entrevista coletiva, o porta-voz oficial do Departamento de Estado, Mark Toner, respondeu assim, de acordo com o site oficial da autoridade:

“Eu (risos) – nada, mas essa foi boa, de novo. É legal, mas vamos lá, continue”.

© Sputnik / Vitaly PodvitskyShow de bandeiras
Show de bandeiras - Sputnik Brasil
Show de bandeiras

Em troca, os dissidentes cubanos não estarão presentes na cerimônia solene, o que, em um primeiro momento, já provocou certa irritação nos círculos políticos dos EUA. O pré-candidato à presidência dos EUA Marco Rubio, Republicano de origem cubana, até arremeteu contra as autoridades atuais de Cuba dizendo que os dissidentes, “e não a família Castro, são os representantes legítimos do povo cubano”.

Porém, os dissidentes cubanos merecerão uma reunião com John Kerry em pessoa, algo que não acontece com o presidente e o líder da revolução cubana.

A mídia cubana cita Berta Soler, Miriam Leiva, Antonio González-Rodiles, Manuel Cuesta Morúa, Dagoberto Valdés, Elizardo Sánchez e outros entre os convidados para este encontro.

Por sua parte, Fidel Castro omitiu o assunto da visita de John Kerry no seu artigo publicado nesta quinta (13) pelo jornal Cubadebate.

Para Vladimir Travkin, editor-chefe da revista Latinskaya Amerika (América Latina), contatado pela Sputnik Brasil, as partes concordaram bem o nível do encontro: tanto Bruno Rodríguez como John Kerry são ministros responsáveis pelos assuntos exteriores. Até aí, tudo bem.

Travkin frisou que o fato da abertura das embaixadas significa que os EUA reconheceram afinal a sua perda: "Eles têm tentado 50 anos quebrar Cuba, e Cuba não quebrou".

Porém, o processo da reaproximação será longo e se desenvolverá "a passos curtos", devido ao lobby anticubano que tenta dominar a corrida pré-eleitoral nos EUA.

As eleições presidenciais nos EUA estão previstas para 8 de novembro de 2016. Barack Obama, que está no seu segundo mandato, á não poderá se candidatar, devido às restrições legais.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала