Assange é vítima de duplos padrões e discriminação

© Foto / Thierry EhrmannJulian Assange
Julian Assange - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O porta-voz do WikiLeaks afirma que o impasse da Suécia com o Equador sobre o interrogatório do fundador do WikiLeaks, Julian Assange é "bizarro" à luz das revelações de que Londres permitiu a Estocolmo inquirir outras pessoas em seu território.

O pedido da Liberdade de Informação (FOI, na sigla em inglês) revelou que o Reino Unido concedeu às autoridades suecas, desde 2010, a permissão para realizar pelo menos 44 entrevistas de testemunhas ou suspeitos no seu território.

Julian Assange foi "vitimizado" por promotores suecos que inquiriram 44 pessoas no Reino Unido, mas recusaram-se a inquirir o chefe do WikiLeaks na embaixada do Equador, onde ele permanece há mais de três anos. 

Presidente dos EUA Barack Obama no Centro Nacional de Cibersegurança e Integração em Comunicações, em Arlington - Sputnik Brasil
NSA intercepta 98% das comunicações na América Latina, diz Assange

O pedido da Liberdade de Informação apresentado pelo portal de notícias Hazel Press revelou que a Suécia concedeu 44 pedidos para inquirir testemunhas ou suspeitos no Reino Unido desde 2010. Isto levou os apoiantes do fundador do WikiLeaks a afirmar que Assange está propositadamente a ser discriminado, visto que ele também concordou em ser inquirido por promotores suecos dentro da embaixada a respeito das alegações sexuais no país escandinavo.

Um membro da equipe de advogados de Assange, Jen Robinson, diz que foram levantadas diversas questões importantes, acrescentando que "Julian não foi acusado, mas ele está sendo punido".

"Primeiro, eles se recusaram a aceitar o seu testemunho, enquanto ele estava na Suécia. Em seguida, eles se recusaram a ouvi-lo no Reino Unido, dizendo que era ilegal. Cinco anos mais tarde, depois de ser repreendido por seu próprio tribunal, eles dizem que vão considerá-lo", disse o advogado.

"Em vez de ouvir o que ele ter para dizer, o procurador escolheu lançar uma sombra de suspeita sobre Julian, buscando sua extradição".

Ele também acusa a Suécia de política de duplos padrões e discriminação de Assange. 

Se Assange sai da embaixada do Equador, ele será preso e extraditado para a Suécia. Os oficiais de polícia estão mantendo uma vigilância do refúgio do australiano.

Cinco fatos interessantes sobre o caso Assange

1. O Equador deu asilo a Assange porque os EUA querem colocá-lo na prisão por causa do WikiLeaks. O Reino Unido e a Suécia não recusam entregá-lo para os EUA.

2. Os EUA querem processar Assange por espionagem, roubo de propriedade do governo, conspiração para cometer espionagem, fraude informática, abuso e conspiração geral.

3. As duas mulheres dizem que não foram violadas sexualmente mas que foram pressionadas pela polícia sueca.

4. Assange foi preso no Reino Unido e detido sem acusação durante quase cinco anos.

5. A Suécia congelou sua investigação preliminar em 2010 por se recusar a aceitar a declaração de Assange. A Suécia já entrevistou 44 pessoas no Reino Unido desde 2010.

Assange  continua negando as acusações e afirma que as tentativas da sua extradição são destinadas a entregá-lo aos Estados Unidos, onde ele deverá enfrentar acusações de espionagem e de vazamento de documentos militares secretos e telegramas diplomáticos.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала