Consumo chinês não deve sofrer impacto da queda de bolsas, segundo especialista

© AFP 2022 / Johannes EiseleBolsa de Valores de Xangai.
Bolsa de Valores de Xangai. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A forte queda recente vista nas bolsas da China não deve afetar o consumo no país significativamente, segundo avaliação da Capital Economics.

"Mesmo no pico da bolha (dos mercados acionários chineses), apenas 50 milhões de investidores, ou cerca de um a cada 30 chineses, possuíam ações do tipo A", disse Julian Evans-Pritchard, analista da consultoria britânica, referindo-se aos papéis de empresas negociados tanto em Xangai quanto em Shenzhen.

Bolsa de valores de Xangai. - Sputnik Brasil
China divulga restrição de venda de ações para conter queda da bolsa
Nos EUA, essa relação é de um investidor a cada sete pessoas, segundo o analista.

"Visto que os mercados acionários (da China) não deram nenhum impulso perceptível aos gastos, não há razão para esperar que eles agora arrastem (o consumo) para baixo", ponderou Evans-Pritchard.

Além disso, os chineses que investem em ações tendem a ter mais renda disponível, uma vez que mais de 80% deles possuem saldos que excedem 10 mil yuans (US$ 1.610), o que equivale a mais da metade do salário médio anual do país, disse o analista. Já as famílias de baixa renda praticamente não serão afetadas pela queda nas ações, prevê Evans-Pritchard. 

fonte: Estadão Conteúdo


Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала