Grécia promete acordo 48 horas depois do plebiscito

© REUTERS / Alkis KonstantinidisAlexis Tsipras, primeiro-ministro da Grécia
Alexis Tsipras, primeiro-ministro da Grécia - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A três dias do plebiscito que perguntará aos gregos se eles concordam ou não com as propostas dos credores internacionais, o primeiro-ministro do país, Alexis Tsipras, prometeu nesta quinta-feira que haverá um acordo 48 horas depois da consulta popular, que ocorre no domingo.

Grécia se esforça para chegar a um acordo com os seus credores a poucas horas do vencimento da dívida junto ao FMI - Sputnik Brasil
BRICS podiam ter salvado a Grécia se não fossem espionados?
"Se o voto 'não' ganhar, eu garanto que, no próximo dia, estarei em Bruxelas e haverá um acordo", acrescentou Tsipras, em entrevista a uma emissora de televisão grega. "O plebiscito é o último passo antes do acordo. Quanto maior for a votação pelo 'não', melhor será o acerto", afirmou.

Por trás de sua campanha pelo "não", Tsipras busca ganhar força política para retomar as negociações com os credores, caso a população rejeite as exigências atuais, que incluem mudanças no sistema previdenciário do país e cortes no orçamento do governo. Os credores são o Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Central Europeu (BCE) e a União Europeia.

Na entrevista de hoje, Tsipras disse ainda que a Grécia "certamente ficará na Europa", afirmando também que deixou as negociações quando percebeu que havia um "ultimato de uma solução inviável". Para ele, o plebiscito de domingo busca uma resposta para uma "solução viável".

Ministro das Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis - Sputnik Brasil
Varoufakis defende o voto "não" em plebiscito na Grécia
Enquanto isso, as autoridades europeias, em especial da Alemanha, têm sugerido que a vitória do "não" seria uma passo a mais para a Grécia deixar a zona do euro. Eles afirmam que um novo programa de resgate — se houver — exigirá medidas mais duras do que as que serão avaliadas pelos gregos no plebiscito, porque as perspectivas econômicas para a Grécia têm se deteriorado por conta do fechamento dos bancos e do controle de capital.

Com suas últimas declarações, Tsipras tem sido visto em Berlim e outras capitais da zona do euro como um líder imprevisível, que não pode comandar uma reforma da economia da Grécia, que seria exigida em um novo acordo. Por isso, convencer muitos dos países europeus que estão entre os credores a assinar um novo programa de ajuda seria politicamente difícil. O programa de ajuda financeira anterior expirou na terça-feira.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала