Banco Central da Rússia prevê sanções até 2018

© Sputnik / Vladimir FedorenkoPresidente do Banco Central da Federação Russa Elvira Nabiullina.
Presidente do Banco Central da Federação Russa Elvira Nabiullina. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Banco Central da Rússia manteve inalterada sua previsão de que as sanções ocidentais contra Moscou irão persistir até 2018, segundo anunciou a presidente da instituição, Elvira Nabiullina, em entrevista coletiva nesta segunda-feira (15)

"Em nossa projeção, partimos do pressuposto de que as sanções financeiras contra a Rússia irão persistir", disse ela.

Notas bancárias de 5 mil rublos - Sputnik Brasil
Rússia volta a cortar juros
Os EUA e a União Europeia começaram a impor medidas restritivas contra a Rússia devido à posição de Moscou a respeito da crise na Ucrânia a partir de março de 2014. 

O Ocidente não reconhece a legitimidade da reintegração da Crimeia ao território russo, apesar do referendo popular mediante o qual a população da península exerceu o direito à autodeterminação e decidiu se separar da Ucrânia depois do golpe de Estado perpetrado em Kiev em fevereiro do ano passado. 

Paulo Nogueira Batista Junior. - Sputnik Brasil
Brasileiro vice-presidente do banco dos BRICS revela detalhes da instituição
Além disso, os países que impuseram sanções à Rússia afirmam que o Kremlin apoia financeira e militarmente os movimentos de independência em Donbass, apesar de não terem apresentado nenhuma prova conclusiva para fundamentar a acusação.

Em 31 de julho de 2014, a União Europeia impôs o primeiro pacote de sanções econômicas setoriais contra empresas-chave da Rússia. As companhias, atuantes nos setores bancário, de petróleo e de defesa, ficaram sujeitas às medidas restritivas pelo período de um ano. Agora, Bruxelas deve decidir até o final de julho deste ano sobre a possível prorrogação das sanções.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала