Irã: Rússia tem a força para levar a paz ao Iêmen

© Sputnik / Iliya PitalevAtaques aéreos no Iêmen
Ataques aéreos no Iêmen - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Irã vê a Rússia como uma força influente capaz de parar o derramamento de sangue no Iêmen. A declaração é do vice-ministro das relações exteriores iraniano, Ibrahim Rahimpour, em entrevista à agência Sputnik.

Houthis no Iêmen - Sputnik Brasil
Iêmen: Líder do grupo Houthi afirma estar pronto para acordo de paz
"A Rússia tem todo o potencial e as oportunidades necessárias para gerar um efeito positivo para o fim do derramamento de sangue, do conflito e estabelecimento da paz no Iêmen", disse o chanceler. 

Ao mesmo tempo, foi relatado que uma coalizão de países árabes desferiu ataques aéreos regulares na área de El-Zaher e Haydan, no norte do Iêmen. O atentado afetou quase todo o país, gerando um número crescente de vítimas civis. O diretor do jornal iraniano de língua árabe "Al-Vafag", Mosayeb Na'imi, declarou em uma entrevista à agência Sputnik Persian que, com essas circunstâncias, o iniciador da reconciliação pode e deve ser a Rússia. 

"A guerra sangrenta travada pela Arábia Saudita no Iêmen está chegando perto do seu pior momento. Hoje o número de mortos e feridos ultrapassa a marca de duas mil pessoas, o número de pessoas que perderam suas casas atinge 6 milhões, muitos assentamentos foram destruídos, o país está passando por uma catástrofe humanitária", afirma o diretor do jornal iraniano. 

Sede da ONU em Nova York - Sputnik Brasil
ONU apoia proposta russa de conferência sobre Iêmen
Segundo Mosayeb Na'imi, um quadro tão horrível exige uma ação de emergência da comunidade internacional, especialmente pelo fato de que a Arábia Saudita tem os Estados Unidos como patrono poderoso, que deu luz verde para o bombardeio de iemenitas civis.

"Por isso, sendo a Rússia um dos países mais poderosos e influentes é necessário que ela se expresse de forma mais ativa no sentido diplomático para atender o povo iemenita". De acordo com Mosayeb Na'imi, "a comunidade internacional deve se unir e repelir a política agressiva de Riade e comprometer-se a defender a Carta das Nações Unidas e o direito dos povos à autodeterminação".


Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала