Eurodeputados exigem respostas de Kiev sobre assassinatos na Maidan e massacre em Odessa

© Foto / Odessa-media / Abrir o banco de imagensIncêndio no edifício da Casa dos Sindicatos de Odessa
Incêndio no edifício da Casa dos Sindicatos de Odessa - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Membros do Parlamento Europeu enviaram uma carta aberta ao primeiro-ministro ucraniano Arseny Yatsenyuk nesta sexta-feira (8) exigindo a apresentação imediata dos resultados das investigações sobre os assassinatos no centro de Kiev e o incêndio na Casa dos Sindicatos de Odessa, ocorridos em fevereiro e maio do ano passado.

Protesto na Praça Maidan em Kiev, 22 de fevereiro - Sputnik Brasil
Ministério do Interior ucraniano impediu investigação de crimes do Maidan
No total, treze eurodeputados de oito países assinaram a carta, pedindo que Yatsenyuk faça uso de “todas as oportunidades disponíveis” para apresentar os resultados da investigação, que também aborda “numerosos casos de justiça seletiva e violações processuais” no país.

O documento, redigido por iniciativa do deputado tcheco Miroslav Ransdorf e da deputada letã Tatjana Zdanoka, também manifesta preocupação com a série de assassinatos de jornalistas e políticos da oposição que vem ocorrendo na Ucrânia.

Casa de Sindicatos em Odessa - Sputnik Brasil
Mundo prestou homenagem à tragédia em Odessa (vídeo 18+)
Em 2 de maio de 2014, dezenas de ativistas do movimento de protesto contra o golpe ocorrido em Kiev morreram no edifício da Casa dos Sindicatos de Odessa, que supostamente teria sido incendiado por radicais da facção ultranacionalista ucraniana Setor de Direita e seus cúmplices. De acordo com relatórios recentes, 48 pessoas morreram e 214 ficaram feridas. 

Manifestação Antimaidan - Sputnik Brasil
Poroshenko é recebido com protestos e slogans anti-fascistas em Odessa
Antes disso, dezenas de pessoas já haviam sido mortas na Praça da Independência de Kiev (Maidan) devido à ação de snipers que, supostamente, também poderiam estar a serviço dos ultranacionalistas, e também devido ao uso de armas de fogo e coquetéis Molotov por parte da oposição. O centro da capital ucraniana vinha sendo ocupado desde novembro de 2013 por manifestantes pró-ocidentais que exigiam a volta do processo de integração da Ucrânia com a União Europeia, e foi palco de diversos confrontos com a polícia e grupos extremistas.

No último sábado (2), o aniversário de um ano da tragédia de Odessa foi lembrado em diversos países, como Rússia, Itália, Canadá, França e Inglaterra, com uma série de homenagens aos mortos, pedidos de justiça e slogans antifascistas.

Até agora, porém, a investigação realizada por dois grupos parlamentares e pela polícia ucraniana não identificou os autores dos crimes. As Nações Unidas classificaram como 'inadequadas' as medidas tomadas pelas autoridades ucranianas para investigar os assassinatos do ano passado em Kiev e Odessa.

Protesto na Praça Maidan em Kiev, 22 de fevereiro - Sputnik Brasil
Líder do Setor de Direita: Ucrânia pode enfrentar um novo Maidan, ainda mais sangrento
O Setor de Direita é uma união de organizações nacionalistas de extrema direita. Em janeiro e fevereiro de 2014, os combatentes do movimento participaram dos confrontos com a polícia e no assalto a edifícios administrativos em Kiev. Depois de abril, participaram da repressão aos protestos contra o golpe de Estado e aos movimentos por independência no leste do país, ao lado do exército ucraniano. Em março de 2014, o grupo foi transformado em partido político, liderado por Dmitry Yarosh, mas manteve ao mesmo tempo o seu braço armado. A atividade do Setor de Direita é proibida na Rússia, que considera extremista o caráter da organização.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала