Presidente da Polônia diz que Parada da Vitória na Rússia é "manifestação de força"

© AP Photo / Jon Super, FilePresidente da Polônia, Bronislaw Komorowski.
Presidente da Polônia, Bronislaw Komorowski. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Segundo o presidente polonês, Bronislaw Komorowski, "no desfile militar que será realizado daqui a poucos dias – uma manifestação de força – nós não estamos falando sobre a História, mas sobre o presente e o futuro".

Komorowski disse que vê a Parada da Vitória em Moscou no próximo 9 de Maio como "a imagem de um mundo instável."

A parada militar em homenagem aos 70 anos da vitória na Segunda Guerra Mundial promete se tornar em maior solenidade do gênero na história recente da Rússia. Mais de 15 mil militares e cerca de 200 unidades de diversos tipos de equipamento militar mais moderno devem participar do evento. Segundo o ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, a maioria dos armamentos ainda não havia sido apresentada.

"Logo, em 9 de maio, a praça Vermelha em Moscou se transformará mais uma vez numa praça de tanques", disse Komorowski, falando no domingo (3 de maio), em Varsóvia, por ocasião do Dia da Constituição celebrado no país.

"O conflito militar nunca esteve tão perto da fronteira da Polônia como está hoje. A imagem do mundo agora é inquieta, instável. Nestas circunstâncias, precisamos construir a segurança da Polônia e pensar de nossos filhos", disse o chefe de Estado polonês.

Veterans of the Ukrainian Insurgent Army (OUN-UPA) at the monument to Stepan Bandera during the Heroes Festival in Lviv. - Sputnik Brasil
Polônia não quer diálogo histórico após glorificação de colaboradores nazistas na Ucrânia
Ele também disse que a Polônia irá reforçar o potencial militar do país e reforçar a cooperação com OTAN em todo o flanco oriental da Aliança.

Esta não é a primeira declaração desse tipo de altos funcionários da Polônia sobre o tema da Grande Guerra Patriótica. Recentemente, o ministro das Relações Exteriores polonês disse que o campo de concentração de Auschwitz foi libertado não por russos mas por ucranianos, porque a operação foi conduzida pela Primeira Frente Ucraniana.

As observações causaram uma onda de indignação tanto na Rússia como no Ocidente.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала