Shinzo Abe sente remorso por ações do Japão na Segunda Guerra Mundial

© REUTERS / Gary CameronJapanese Prime Minister Shinzo Abe addresses a joint meeting of the U.S. Congress on Capitol Hill in Washington, April 29, 2015
Japanese Prime Minister Shinzo Abe addresses a joint meeting of the U.S. Congress on Capitol Hill in Washington, April 29, 2015 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, discursou no Congresso dos EUA nesta quarta-feira, 29, tornando-se o primeiro chefe do governo japonês a falar perante o senado e a câmara dos representantes do Congresso dos Estados Unidos.

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, expressou um "profundo remorso" pelas ações de seu país durante a Segunda Guerra Mundial.

No início de seu discurso no Congresso dos EUA nesta quarta-feira, o primeiro-ministro japonês disse: "com um profundo sentimento de remorso no meu coração, eu fiquei aqui em oração silenciosa".

Shinzo Abe em 27 de abril de 2015 no local do atentado da Maratona de Boston de 2014 - Sputnik Brasil
EUA tentam formar aliança com Japão contra China e Rússia
Abe se tornou o primeiro chefe do governo japonês a falar perante o senado e a câmara dos representantes do Congresso dos Estados Unidos.

Na última terça-feira, 28, o presidente dos EUA, Barack Obama, se reuniu com o premiê do Japão, Shinzo Abe, e após a reunião, ambos os políticos fizeram declarações à imprensa sobre a cooperação na região da Ásia-Pacífico.

O especialista russo Aleksandr Panov, ex-embaixador no Japão e alto funcionário do Instituto dos EUA e Canadá, comentou a aproximação entre os EUA e Japão à agência Sputnik:

“A aspiração de Abe de fortalecer a cooperação com os EUA é explicada por uma razão simples e óbvia – o medo da China. Os norte-americanos declaram que apoiam a posição do Japão sobre as ilhas Senkaku. Mas os japoneses sabem que os EUA, tendo em conta o caráter das suas relações com a China, não irão agravar as relações com Pequim por causa das ilhas. Os EUA já deram a entender que se opõem à disputa territorial e que não querem ser envolvidos nela.”

Segundo Panov, o Japão tenta mostrar a sua lealdade aos EUA e fortalecer a união militar entre os dois países até um ponto em que os EUA já não tenham outra solução senão apoiar o lado japonês, caso algo aconteça:

“Portanto, o Japão mostra que segue fielmente as instruções dos EUA. Por exemplo, a instrução de não ir a Moscou. Talvez o Japão tenha o desejo de cooperar com a Rússia, mas uma vez que é aliado dos Estados Unidos, não pode ir a Moscou a 9 de maio”, destacou. 

 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала